Você conhece a Slow Medicine? Entenda esta tendência!

Compartilhe:

slow medicine

Se você se preocupa com a qualidade do atendimento em sua clínica e gosta de refletir sobre a própria profissão, então você precisa conhecer a Slow Medicine.

Apesar de recente, o movimento está ganhando espaço dentro da comunidade médica e acadêmica. 

Talvez o motivo dessa adesão seja que a filosofia por trás dessa tendência defende o resgate dos valores mais essenciais da medicina que podemos verificar já em Hipócrates.

Ao mesmo tempo, o movimento reúne uma série de conceitos atuais que também estão no horizonte de muitos profissionais, como a medicina humanizada e o cuidado centrado no paciente.

Continue a leitura deste artigo para entender mais sobre a Slow Medicine e descubra como ela está se desenvolvendo como o futuro da medicina! 

O que é Slow Medicine?

Também conhecida no Brasil como medicina sem pressa, trata-se de uma filosofia de trabalho que visa resgatar o paciente como centro dos cuidados. Neste sentido, o fator tempo tem mais a ver com a atenção dispensada ao paciente do que com a duração das consultas.

A Slow Medicine se contrapõe à prática médica atual e predominante em que os profissionais atendem muitos pacientes por dia, sem conseguir estabelecer uma conexão com eles. 

Muitas vezes, o médico está tão preocupado com a objetividade de seu trabalho e suas demandas burocráticas que a parte humana do atendimento se perde pelo caminho. Dessa forma, há uma ênfase excessiva na dimensão biológica do paciente que torna a relação médico-paciente mecanicista e impessoal.

Características que afetam diretamente na qualidade dos atendimentos e, como consequência, na satisfação dos pacientes. É justamente nesses dois pontos que o conceito Slow Medicine se coloca como um novo paradigma, tornando-se uma forte tendência para a medicina do futuro.

Conceito de Slow Medicine

O conceito de Slow Medicine integra um conjunto de ideias que estão ganhando força no setor de Saúde, isto é:

Essas ideias representam um resgate da forma ideal de conduzir a assistência à saúde. Ou seja, a perspectiva de que a arte de cuidar se baseia em um sólido relacionamento com o paciente.

Neste sentido, a questão do tempo é uma parte essencial para a Slow Medicine, não só no sentido de ouvir ativamente o paciente durante a consulta, como também no acompanhamento do profissional ao longo de sua vida.

Como surgiu?

A Slow Medicine surgiu na Itália a partir da inspiração nos pressupostos de outro movimento, o Slow Food. 

Em 1986, um grupo de manifestantes protestou contra a inauguração de um restaurante do tipo fast food na Piazza de Spagna em Roma. Esse protesto, liderado pelo jornalista e ativista Carlo Petrini, deu origem ao movimento Slow Food.

A ideia era resgatar a cultura gastronômica italiana, desde a produção local dos alimentos tradicionais até o ato de se alimentar de forma mais devagar para saborear a comida.

Mais tarde, em 2002, o cardiologista italiano Alberto Dolara, publicou um texto intitulado Invito ad una “slow medicine” (Convite à Slow Medicine) . No artigo, o autor comenta que o aceleramento dos diversos aspectos da vida na sociedade atual leva ao nascimento de movimentos que se contrapõem a essa tendência.

Então ele apresenta, como exemplo, a oposição entre fast food e slow food, propondo que um conceito análogo poderia ser criado na área médica, isto é, a Slow Medicine.

Não demorou muito para que outros autores também se dedicassem a desenvolver o novo conceito. Em 2008, por exemplo, o médico geriatra, Dennis McCullough, lançou o livro My mother, your mother (Minha mãe, sua mãe).

Nesta obra, que é considerada um dos marcos teóricos da Slow Medicine, McCullough demonstra a aplicação do conceito aos cuidados com os idosos. Principalmente no que diz respeito à ênfase a um cuidado humanizado, salientando a importância da educação dos parentes e cuidadores.

Assim como essa obra, surgiram outras para mostrar os benefícios dessa filosofia para diferentes especialidades da medicina. Desse modo, o movimento começou a receber adeptos de diversos países, como França, Holanda, Canadá, Estados Unidos e Brasil. 

Slow medicine no Brasil

No Brasil, a divulgação dessa filosofia está sendo realizada pelo portal Slow Medicine Brasil. O site é administrado por um grupo de médicos que publicam textos e reflexões sobre a abordagem slow nas mais diversas especialidades da medicina.

O grupo é bastante ativo nas redes sociais, realizando lives no YouTube e podcasts que abordam os desafios da medicina sob o ponto de vista da Slow Medicine. 

O movimento também está presente nas universidades na forma de ligas acadêmicas. Os três primeiros grupos desse tipo que surgiram no Brasil são:

Em 2020, essas três ligas realizaram a primeira jornada de Slow Medicine do país, com o apoio do Slow Medicine Brasil. Desde então, o número de ligas desse tipo vem aumentando.

Outro acontecimento que mostra a consolidação do movimento no Brasil foi a publicação do livro, De mãos dadas: O olhar da slow medicine para o paciente oncológico, de Ana Coradazzi, em 2021.

A autora é integrante do movimento no Brasil e também escreve para o portal Slow Medicine Brasil. Em seu livro, Ana Coradazzi mostra como a abordagem slow tem um impacto positivo na vida de pacientes com câncer e seus familiares. 

Os três pilares da slow medicine

Quando a primeira sociedade da Slow Medicine foi fundada em 2011, na Itália, seus integrantes produziram um manifesto baseado em três princípios. Segundo eles, a medicina deve ser Sóbria, Respeitosa e Justa.

Sóbria

Este princípio quer dizer que a medicina necessita de moderação, ou seja, nem sempre fazer mais significa fazer melhor.

Neste sentido, os serviços de saúde devem focar no que é essencial e implementar as ações de forma gradual. Assim, evita-se situações como, o desperdício de recursos e pedido de exames desnecessários.

Respeitosa

A medicina deve reconhecer que as pessoas são diversas em seus valores, expectativas e desejos. Logo, os profissionais da saúde precisam agir com atenção e respeito para levar em consideração as preferências dos pacientes.

Justa

A medicina deve promover os cuidados adequados às pessoas e suas circunstâncias, combatendo as desigualdades para que todos tenham acesso a serviços de saúde de qualidade.

Os dez princípios da Slow Medicine

Enquanto os três pilares surgiram com a redação do manifesto da Slow Medicine elaborado pelo grupo italiano, os dez princípios foram propostos pelo grupo da Holanda. Confira abaixo quais são eles:

1. Tempo

Tomar decisões dedicando tempo para ouvir, entender e refletir. As decisões são melhores quando o médico dedica tempo e atenção ao paciente. 

2. Individualização

Reconhecer a individualidade das pessoas. O paciente é o foco da atenção e seus valores e preferências devem ser respeitados.

3. Autonomia e Autocuidado

As decisões não são unilaterais, mas compartilhadas. O médico deve levar em consideração as expectativas, valores e preferências do paciente, envolvendo também seus familiares, amigos, etc.

4. Conceito positivo de saúde

Entende-se que o conceito de saúde da OMS, como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades” precisa ser superado.

No lugar dele, entra o conceito positivo de saúde que seria a habilidade de se adaptar e autogerir em face aos desafios físicos, emocionais e sociais da vida.

5. Prevenção

Promover os bons hábitos que garantem uma vida saudável, tais como uma alimentação balanceada, atividades físicas regulares, pensamento positivo e flexibilidade mental.

6. Qualidade de vida

A qualidade deve vir antes da quantidade, pois nem sempre fazer mais significa fazer melhor. Também é preciso ter a sabedoria da observação clínica para saber quando não intervir.

7. Medicina Integrativa

Utilização da medicina tradicional sempre que indicada e da medicina complementar sempre que possível. Evitar metáforas que falem de luta ou guerra contra a doença, em vez disso as palavras de ordem são recuperação, equilíbrio e harmonia.

8. Segurança em primeiro lugar

Lembrar do juramento de Hipócrates: “Em primeiro lugar não causar mal. Em dúvida, abstenha-se de intervir.”

9. Paixão e compaixão

Busca incansável pela humanização dos cuidados à saúde, resgatando a paixão pelo cuidar e o sentimento de compaixão na prática médica.

10. Uso parcimonioso da tecnologia

A tecnologia deve ajudar a pessoa no autocuidado e o médico a tomar as melhores decisões para melhorar a qualidade de vida de seus pacientes. 

Características do “profissional slow” 

O site Slow Medicine Brasil apresenta uma seção onde propõe quais as características necessárias para ser um médico slow. Confira a seguir, as principais delas:

  • Pratica a Medicina Baseada em Evidências;
  • Postura ética, com o paciente no centro dos cuidados;
  • Conhece os limites da medicina e não propõe tratamentos excessivamente caros e com vantagens duvidosas;
  • Tem consciência de que a saúde deve ser defendida de forma sistêmica e ampla, ou seja, socialmente, ecologicamente e economicamente;
  • É um educador da saúde e sabe se comunicar durante todo o tratamento, estimulando a participação dos cidadãos na gestão da saúde;
  • Reflete sobre a própria atuação e setor;
  • Está sempre estudando e interagindo com seus colegas, para saber explicar quais procedimentos são comprovados cientificamente, quais são baseados em experiência clínica e quais se baseiam em opiniões.

A Slow Medicine e a Tecnologia

À primeira vista, poderíamos pensar que o movimento se contrapõe ao uso da tecnologia na medicina. Contudo, o conceito de Slow Medicine não implica em uma negação das ferramentas tecnológicas.

Em vez disso, o movimento defende que a tecnologia deve ser utilizada de forma racional e parcimoniosa. 

Também vale a pena considerar que o tipo de tecnologia a que o movimento se refere são aquelas que podem representar algum tipo de risco ao paciente, como cirurgias complexas, medicamentos com efeitos colaterais excessivos, etc.  

A partir dessas ponderações, o profissional garante o equilíbrio de sua proposta terapêutica, promovendo alternativas menos invasivas.

Ou seja, a Slow Medicine reconhece o valor da tecnologia, sem deixar de lado outros elementos da prática médica, sobretudo aqueles que se referem à relação entre médico, paciente e familiares.

Neste sentido, existe uma série de ferramentas que, inclusive, ajudam na prática dos princípios da Slow Medicine. Como, por exemplo, a Telemedicina que ajuda a aproximar o médico do paciente.

Afinal, como os pacientes fazem a consulta a partir de casa, o profissional pode entender melhor o seu contexto e ambiente, além de oferecer uma opção mais cômoda para aqueles atendimentos que não necessitam da presença do paciente.

Quer saber mais sobre as vantagens de um software de Telemedicina? Então clique aqui e descubra como funciona!

Perguntas frequentes:

O que é slow medicine?

Trata-se de uma filosofia de trabalho que visa resgatar a prática clínica em que o paciente é o centro dos cuidados. Neste sentido, o fator tempo tem mais a ver com a atenção dispensada ao paciente do que com a duração das consultas.

Como surgiu?

A Slow Medicine surgiu na Itália em um artigo do cardiologista italiano, Alberto Dolara, que se inspirou nos pressupostos de outro movimento, o Slow Food.

No que se baseia a slow medicine?

Se baseia em três princípios que defendem que a medicina deve ser Sóbria, Respeitosa e Justa.

Siga a Feegow!

Posts recentes

Conheça a Feegow

Assine nossa newsletter!

Fique tranquilo, seus dados estão seguros conosco. Nós também odiamos spam!