Atualizações no atendimento: para suporte, utilize o CHAT, o E-MAIL ([email protected]) ou um dos números de telefone disponíveis na aba “Contato”!

0800-591-3035 | Central de Vendas de 2ª à 6ª das 7:00h as 19:00h

Telemedicina: o que os usuários falam sobre a tecnologia?

Telemedicina: o que os usuários falam sobre a tecnologia?

As dúvidas sobre as teleconsultas ainda existem e ouvir de quem já teve contato com a novidade pode ajudar a saná-las. Vamos lá?

O assunto tem sido falado e comentado em muitas rodas de conversa. Seja de especialistas da área médica, ou de pessoas que já fizeram uso da tecnologia. 

Aqui mesmo, no Blog Feegow, já abordamos a temática por algumas vezes. Duas delas, que você pode acessar agora, provavelmente serão muito úteis:

O que é Telemedicina?

Telemedicina na Prática: aprenda como aplicar a tecnologia no seu dia a dia

Mas, retornando ao ponto deste artigo, sabe-se que ouvir a opinião de alguém com conhecimento quando você mesmo não sabe tanto assim sobre determinada temática traz muito mais segurança, né?! 

Por isso, o intuito deste post é contribuir para que você, nosso leitor, entenda a visão de uma das partes mais importantes no processo: o paciente.

Aqui, o foco principal é o que eles dizem sobre a telemedicina. Em um trabalho de pesquisa e entrevista, trazemos essa perspectiva tão importante para o uso desta tecnologia.

Como é a experiência dos pacientes?

Nós conversamos com quatro pessoas que tiveram experiências com teleconsultas nas últimas semanas e a seguir você pode conferir. As entrevistas foram com Juliana Lima, Daniela Mazur, Roberta De França e Thayná Silva. 

O primeiro ponto a ser abordado é sobre a satisfação do paciente, se é o tipo de consulta que passa segurança para o consultado ou não. Quanto a isso, entre as opiniões de nossas entrevistas, os posicionamentos pró são superiores aos contra.

Thayná e Daniela fizeram tudo pelo plano de saúde e ambas concordaram em relação à praticidade e eficiência de suas consultas.

“Fiz pelo plano da empresa que trabalho e não tenho do que reclamar. Os médicos foram bem atenciosos”, afirmou a primeira. 

Daniela foi a fundo na análise de sua consulta e aproveitou para fazer uma comparação entre sua teleconsulta e uma realizada com o pai. Explicando que no segundo caso  “a empresa se adaptou ainda melhor ao conceito de teleconsulta e agora eles mandam o link de programa de videoconferência que é mais profissional e a câmera e som são melhores do que o WhatsApp, então a consulta do meu pai foi ainda mais tranquila”.

Confira a fala na íntegra:

“Minha teleconsulta foi muito boa, no mesmo dia em que entrei em contato com o plano de saúde, a empresa responsável pelas teleconsultas me ligou e marcamos o horário também para o mesmo dia. Houve, nessa primeira ligação, uma triagem para eles terem uma noção do meu problema para poderem passar ao médico que iria me atender. Na hora marcada, o médico me ligou por vídeo no WhatsApp e conversou comigo, ele foi muito atencioso. Como era difícil ver o meu problema (que era na garganta, um início de infecção), a câmera não tinha como alcançar tão bem a imagem, ele me perguntou muitos detalhes da situação pra ter certeza do diagnóstico. No final ele me receitou remédios, me enviou a receita por email e pediu para eu marcar novamente em alguns dias caso meu estado não melhorasse. Acabou que os remédios e as recomendações dele (um tipo específico de gargarejo, soro no nariz e descanso absoluto) fizeram efeito perfeitamente, então me curei e não precisei retornar para uma segunda teleconsulta. Contudo, por mais que essa consulta tenha sido de total sucesso, a que meu pai realizou há menos tempo foi ainda melhor, a empresa se adaptou ainda melhor ao conceito de teleconsulta e agora eles mandam o link de programa de videoconferência que é mais profissional e a câmera e som são melhores do que o whatsapp, então a consulta do meu pai foi ainda mais tranquila. A médica dele tirou bastante tempo para conversar e observar o caso dele. Foi ótimo.”

Roberta é mais uma do grupo das que gostaram bastante da realização de sua teleconsulta. Segunda ela, a consulta “foi rápida e objetiva, bem satisfatória”. Diferente do caso da nossa quarta entrevistada, Juliana. 


Na visão da Juliana, que foi atendida em uma sessão de terapia, “durante a consulta havia pequenos momentos de silêncio devido a falta de costume do vídeo, o que causou um leve constrangimento, ou situações em que nós interrompemos com falas e ficou algo perdido”.

Ela ainda nos explicou um pouquinho da questão técnica, frisando sua teleconsulta foi feita pelo WhatsApp. E falou um pouco da sua relação com o espaço físico no caso de terapias.

“Acabou com uma sensação de vazio. Eu me sinto acolhida na sala da terapeuta acho que pelo ambiente relaxante, as luzes e talvez isso a deixe mais propícia também”, contou.

Quanto à questão da necessidade do contato presencial, com espaço físico e tudo, a especialidade e o problema de momento podem ser fatores preponderantes. 

Neste sentido, a paciente Juliana, voltou a frisar que para a questão específica da terapia, pode existir uma necessidade maior do contato presencial.

“O contato presencial para questões psicológicas, ao meu ver (psicólogo e acredito que psiquiatra também), precisa do ambiente e do clima de um consultório. Como se aquilo me recebesse melhor e assim a gente pudesse se comunicar melhor também. Inclusive, durante a vídeo, mesmo falando, me peguei olhando pro relógio no medo de ser ou muito rápido ou muito longo”, afirmou. 

Já Daniele, ao ser perguntada se acredita que o atendimento médico virtual seja satisfatório, destacou que o caso vai ditar a necessidade do momento.

“Existem casos que apenas com equipamentos específicos que o médico conseguirá dar o diagnóstico correto. Mas em casos mais simples, como gripes, resfriados e pequenas infecções, a câmera de um computador ou de um celular dão conta do serviço para o médico poder fazer sua observação correta”, posicionou-se. 

Para Thayná, o contato presencial ainda se faz fundamental, mas há também vantagem na telemedicina

“Acredito que o presencial seja o ideal. Mas, por outro lado, a praticidade do teleatendimento, facilitaria a vida no dia a dia mais corrido”, afirmou. 

No caso da Roberta, ela trouxe à pauta uma questão muito importante que pode ser resolvida com a opção de atendimento remoto.

“Nesse meu caso, onde o próximo passo seriam os exames, achei ótimo não ter que sair de casa apenas para ter encaminhamentos”. 

E o pós pandemia? Qual a opinião das entrevistadas em relação à utilização da telemedicina depois que a vida estiver normalizada e todos puderem retornar às ruas e ao convívio físico? E qual seria a preferência delas, consulta presencial ou online?

Vamos às respostas para nossas duas últimas perguntas!

Feegow: Você acha que após a normalização da situação, com a população podendo voltar a circular na rua, a consulta online vai continuar a ser utilizada?

Juliana: Acho que vai continuar, mas em pequenas quantidades. Acredito que a teleconsulta agora está funcionando com motivo emergencial e sempre haverá pessoas com falta de tempo ou situações em que precisa de algo mais urgente, buscando atendimento por vídeo porque é realmente mais prático e viável no ponto de vista de você ir a um lugar, aguardar longo período numa agenda, chegar lá e se deparar com atrasos. Acho que o agora vai ajudar a trazer a prática que os médicos precisam e mostrar para essas pessoas que é possível. Você vê, eu marquei uma terapia às pressas e consegui. Algo que jamais consegui no presencial.

Daniela: Olha, eu espero que sim. O ambiente médico é perigoso em geral, às vezes 

é melhor ficar em casa do que se colocar em uma situação de pronto-socorro, por exemplo. É importante que as consultas presenciais existam, mas seria excelente que existissem as online também. Há muitas pessoas que moram em lugares que o transporte público é limitado ou mesmo possuem dificuldade de deslocamento em razão de alguma deficiência ou algo do tipo, então o atendimento online poderia facilitar a vida dessas pessoas em casos mais simples de saúde. Todo mundo pode pegar um resfriado e precisa de atendimento, mas nem todos têm a mesma facilidade de chegar até um médico ou pronto-socorro.

Roberta: Acho que poderia ser utilizado, sim.

Thayná: Eu acho que não. Mas confesso que gostaria para algumas especialidades. 


Feegow: No dia a dia normal, você escolheria fazer uma consulta online ao invés da presencial se houvesse as duas possibilidades?

Juliana: Por causa da minha experiência sobre o ambiente ser importante, presencial. Mesmo que demorasse como comentei antes. A online seria sempre uma segunda opção.

Daniela: Com certeza! Especialmente depois dessas duas experiências positivas que tive, eu no mínimo me utilizaria mais desse recurso para ter uma noção da necessidade de me expôr a um ambiente conturbado como o de um hospital. Além disso, tantas vezes fui ao médico e a consulta foi basicamente uma conversa (a alergista, por exemplo, é sempre assim), então por que não ser online? Até para o profissional de saúde poderia ser positivo, ele poderia atender de sua própria casa, sem precisar se deslocar pela cidade até seu consultório. É como eu disse, há muitas ressalvas, mas esse método pode ajudar muito e pode ser uma alternativa essencial para o novo mundo em que viveremos pós-pandemia.

Roberta: Se não houvesse a necessidade de se olhar o corpo ou apalpar, acho que prefiro o online. No meu caso, foi cardiologista. Procurei por apresentar dor de cabeça pertinente e pressão arterial elevada.

Thayná: Dependendo do tipo de consulta, eu faria online. Eu gostei da praticidade do atendimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × dois =

Rolar para cima