Categorias
Gestão para clínicas

Aprenda a gerar sua receita médica digital com Feegow Clinic

A emissão da receita médica digital com um software como o Feegow Clinic não só reduz custos, como também oferece outros benefícios.

As receitas médicas no formato digital vêm se tornando cada vez mais frequentes. Esse documento é uma evolução do modelo tradicional, de papel, para um 100% online.

Com o crescimento das consultas online, a prescrição nesse formato passou a ser mais utilizada. Por isso, uma dúvida se tornou recorrente: como fazer a receita médica digital?

Diante do cenário de pandemia, ocorreram diversas mudanças na área da saúde. Uma delas foi a autorização do atendimento a pacientes a distância, por meio da telemedicina.

Para que a assistência médica seja completa e eficiente, seu paciente pode receber uma receita sem sair de casa, usando um endereço de e-mail ou por mensagem de texto.

Está se perguntando como colocar essa funcionalidade em prática, respeitando as regras estabelecidas pelo Governo Federal e Conselho Federal de Medicina (CFM)? Acompanhe o post e comece a prescrever online e de forma segura!

O que é a receita médica digital?

Como o próprio nome sugere, a receita digital é a prescrição médica entregue ao paciente em consultório, só que em formato eletrônico.

A prescrição online pode ser emitida com um software médico e/ou um prontuário eletrônico que disponibilize esse recurso.

De acordo com a Portaria nº 467 do Ministério da Saúde, publicada em 20 de março de 2020, a receita digital é um documento que pode ser encaminhado para o paciente em padrão PDF.

Para que a receita digital possa ser validada na compra do medicamento, o profissional que a emitiu deve ter um certificado digital credenciado pelo ICP-Brasil.

Importante: o certificado precisa estar em modelo que seja A1, A3, token ou cartão.

Como a receita médica digital é regulamentada?

A regulamentação da receita médica digital é feita pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Até pouco tempo, essa possibilidade era vista com restrições pelos Conselhos Federais de Farmácia e de Medicina e pelo Ministério da Saúde, que não eram obrigados a aceitar a norma.

Com a pandemia, o assunto voltou a ser discutido. A partir de 2020, ficou definido que as receitas e os atestados médicos podem ser emitidos à distância. Até então, a legislação citava somente o receituário tradicional no documento.

Apesar de a medida do Ministério da Saúde ser considerada como caráter excepcional e temporário para combater a pandemia, a receita médica digital é uma tendência que deve permanecer.

A ANVISA determina que os medicamentos de receita simples podem ser prescritos de maneira eletrônica. Para estes, não há a necessidade da assinatura eletrônica do médico, bastando somente os dados que identificam o profissional.

Já os medicamentos de controle especial, exigem a certificação digital. Nestes casos, a farmácia deve imprimir uma via e armazená-la. Esta regra é válida para:

  • Antibióticos;
  • Anabolizantes;
  • Entorpecentes;
  • Psicotrópicos.

Para os medicamentos que precisam da notificação de receita médica controlada, não é possível prescrever apenas via receita digital.

Como validar a receita médica digital?

Para validar a receita digital, é muito fácil! O próprio Governo Federal disponibilizou um portal de validação deste documento. Por meio dele, você pode validar seus documentos digitais sem complicações.

Essa facilidade ocorre graças a uma parceria entre Governo Federal, Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Conselho Federal de Farmácia (CFF).

Por conta desse processo, pacientes e farmacêuticos podem verificar a autenticidade da documentação, identificando, por exemplo, se a assinatura na receita é a mesma do médico que a prescreveu.

Além disso, a validação da assinatura ajuda a descobrir até se o médico tem registro profissional ativo e está habilitado para prescrever os medicamentos.

Com o uso do certificado digital, você pode não só emitir a receita digital, como também validar atestados, relatórios médicos e solicitações de exames.

LGPD e receita médica online

O armazenamento de dados dos pacientes é uma preocupação constante das clínicas médicas quando falamos do ambiente digital. Este também é um ponto importante para as empresas de softwares nichadas no setor.

As ferramentas digitais de serviços médicos, como telemedicina, prontuário eletrônico e receita digital, devem priorizar o sigilo da informação coletada. A segurança digital é um requisito fundamental, previsto pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Para se adequar à lei, os programas devem ter políticas que garantam a privacidade dos pacientes. Algumas das soluções são:

  • Banco de dados com acesso restrito;
  • Camadas de autenticação;
  • Criptografia;
  • Acesso controlado a prescrições;
  • Armazenamento de dados para auditoria.

Os colaboradores precisam assinar termos de confidencialidade com relação às informações de prontuário eletrônico. Mesmo os dados usados para relatórios devem ser apenas estatísticos, e nunca podem evidenciar a identidade dos pacientes.

Como fazer uma receita médica digital com Feegow Clinic?

O modelo de prescrição digital dispensa o uso do papel e funciona da seguinte maneira: o médico atende o paciente e pode emitir a receita médica de qualquer lugar conectado à internet. Esta é uma das facilidades trazidas pela telemedicina, mas que pode ser usada também no consultório, devido a sua praticidade.

O receituário fica armazenado na nuvem e pode ser acessado tanto pelo médico quanto pelas farmácias, quando o paciente for buscar os seus medicamentos.

Para tornar isso possível, o Feegow Clinic possui integração com a plataforma MEMED. Assim, você consegue ter mais agilidade na rotina da sua clínica, já que a empresa é líder na emissão e dispensação de receitas digitais.

Receita médica digital x manual

Apesar de conterem praticamente as mesmas informações, existem algumas diferenças entre a receita médica digital e manual. Ao usar esse recurso online, o profissional atuará via telemedicina e, da mesma plataforma, enviará o documento ao paciente.

O processo é rápido e fácil, economizando com papel e impressão. Veja o passo a passo:

  1. O médico, que já tem os dados do paciente, os seleciona no sistema;
  2. O profissional acessa um banco de dados com medicamentos cadastrados;
  3. O especialista seleciona os remédios, quantidades e dosagens de cada um;
  4. A receita é enviada para o paciente;
  5. A pessoa recebe um aviso para acessar o documento digital por SMS ou e-mail.

Ainda é possível enviar uma via diretamente para a farmácia, ou apenas para o paciente – como ele desejar.

Como no receituário em papel, o médico deve estar habilitado para exercer sua profissão, emitindo receitas sem grandes problemas, de acordo com o Código de Ética Médica.

No caso dos medicamentos controlados e que precisam de retenção de receita, é preciso ter duas vias, sendo uma para o paciente e outra para a farmácia. Assim, se a receita for eletrônica, a farmácia precisará imprimir e manter sua via.

As vantagens da prescrição digital em relação a de papel são o armazenamento fácil, o baixo risco de perda e a legibilidade das informações, como veremos mais adiante.

Existe diferença entre receita digital e receita digitalizada?

Sim, há uma diferença entre os 2 (dois) tipos de receita médica. A receita digital preenche todos os requisitos do receituário em papel, porém em meio eletrônico. Ela é validada com assinatura digital.

Já a opção digitalizada é a receita em papel escaneada ou fotografada. Ela é uma versão da receita de papel,por isso não possui integridade, algo fundamental em documentos na área da saúde.

Pela falta de comprovação da sua veracidade, esse formato não é amparado legalmente pelo judiciário brasileiro. Certamente, isso não exclui o seu uso, que é bastante comum.

Se você já usa a prescrição online ou costuma escanear uma receita de papel, saiba que ambas podem ser usadas para medicamentos comuns.

Com relação à receita de remédios de controle especial, é importante frisar que eles só podem ser emitidos caso sejam assinados digitalmente, com um certificado digital.

Regras para medicamentos controlados: o que saber?

A Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 357/2020, alterou, em caráter temporário, as regras para prescrição e dispensação de remédios controlados.

Por este motivo, é permitida a entrega remota de medicamentos de controle especial no domicílio do paciente, com o objetivo de que a população evite aglomerações durante a pandemia. Mas ainda é necessária a retenção de uma das vias pelo farmacêutico.

Os medicamentos liberados pela ANVISA para prescrição por receita digital são:

  • Ansiolíticos;
  • Antidepressivos;
  • Anticonvulsivantes;
  • Antipsicóticos;
  • Controladores de hormônios.

Ainda de acordo com a ANVISA, a regra só passa a valer para o paciente que ainda tiver em mãos a receita, e para os casos em que ela ainda não foi recebida pela farmácia.

Por conta disso, o aumento da quantidade máxima permitida é uma das mudanças propostas pela resolução.

6 benefícios da receita médica digital

Os benefícios de implementar ferramentas digitais no seu cotidiano dão mais agilidade na realização das tarefas. Todavia, quando falamos de um serviço médico como a receita digital, existem outras vantagens que também merecem destaque:

Segurança

A possibilidade de gerar um documento com certificado digital dá mais segurança para a operação, evitando receitas falsas.

Este dispositivo também é importante para sua clínica, em relação ao cuidado com os dados dos pacientes. Por ser elaborada dentro de uma plataforma, a ferramenta conta com criptografia, certificações de segurança e níveis de acesso para proteger os dados.

A receita médica é enviada para o paciente de maneira que só ele possa acessar por meio de login e senha. A MEMED também pode ser utilizada para esta finalidade, com acesso para o público via número de telefone.

Agilidade

A telemedicina já é uma grande praticidade por si só. Com o advento das receitas digitais, o paciente não precisa se deslocar até a clínica, pois recebe o documento em formato virtual, no conforto do seu lar.

A agilidade também está no envio do arquivo à farmácia, simplificando a retirada do medicamento.

Para o profissional de saúde, a receita médica digital é muito prática; não há necessidade de escrever tudo à mão!

Como a lista de remédios já está disponível em seu sistema, ele pode escolher e inserir as opções rapidamente. A receita fica a apenas poucos cliques de distância. Em segundos, conclui-se uma tarefa que antes levava minutos.

Validação jurídica

Devido à certificação digital e inserção dos dados do médico e do paciente na receita, ela possui validação jurídica. O que garante a integridade das informações é justamente a aplicação do padrão do ICP-Brasil.

Disponibilidade

Como a receita digital fica salva no software médico, não há perigo de perdê-la. Ela fica disponível a mais de um profissional ao mesmo tempo, em caso de outro médico da clínica precisar consultá-la.

A prescrição também é disponibilizada para o farmacêutico, sendo enviada pelo próprio médico ou pelo paciente. O arquivamento é uma vantagem importante para atendimentos posteriores.

Clareza de informações

A prescrição digital oferece fácil leitura das informações escritas, assim não há perigo de o paciente não entender a recomendação do médico. A compreensão pelo farmacêutico também é simplificada e permite um atendimento mais eficiente.

Vale lembrar que a legibilidade das informações é responsabilidade do médico, como previsto no Código de Ética do CFM.

Redução de custos

Na prescrição eletrônica, como exemplo, há economia com papel, impressão, carimbos, entre outros.

Sem contar que, se você usa um software clínico, os registros dos pacientes não precisam ser armazenados fisicamente – eles podem ser mantidos no sistema em nuvem.

Com tantos benefícios de aderir ao uso da receita médica digital, não tem por que sua clínica adiar a transformação, não é mesmo?

A receita médica online é uma das funcionalidades do Feegow Clinic. A bula digital, o prontuário eletrônico e a gestão de agenda também podem agregar eficácia e segurança ao seu dia a dia.

Saiba o que o Feegow Clinic pode oferecer para você!

Perguntas frequentes:

O que é receita médica digital?

É a prescrição que pode ser emitida por um software médico e assinada digitalmente com um certificado digital. O documento digital pode ser encaminhado tanto para o paciente quanto para a farmácia.

A farmácia é obrigada a aceitar um receituário digital?

Não é obrigatória a adesão ao receituário digital. Mas, por recomendação do Ministério da Saúde e de outros órgãos durante a pandemia, aceitar a receita médica digital traz mais segurança e inviolabilidade dos dados.

Como evitar fraudes com receitas digitais?

A autenticidade pode ser verificada com o validador do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI). Ele garante a validade da assinatura eletrônica.

Categorias
Gestão para clínicas

O que é margem EBITDA e como impacta as clínicas médicas?

Avaliar o desempenho de uma clínica ou consultório exige consistência e regularidade. Só é possível colocar esse cenário em prática com o apoio de bons indicadores.

A margem EBITDA é um dos parâmetros que ajuda a compreender o momento de uma empresa, especialmente no que se refere à saúde financeira.

Com o uso deste indicador-chave em clínicas, é possível identificar a necessidade de ajustes na operação e, ao longo do tempo, a efetividade das decisões gerenciais.

O que é e para que serve a margem EBITDA?

O significado da sigla EBITDA já oferece pistas sobre do que se trata o indicador. Em inglês, o termo quer dizer:

Earning

Before

Interest

Taxes

Depreciation and

Amortization.

Quando traduzida para o português, a expressão se torna LAJIDA, ou seja, Lucros Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização.

De forma mais detalhada, o EBITDA revela o lucro de um negócio baseado apenas nos resultados operacionais, sem considerar juros, impostos, depreciação e amortização.

Esses elementos, embora sejam importantes para uma análise financeira completa, não estão diretamente associados à capacidade da empresa em gerar lucro.

São dois indicadores que podem se desdobrar a partir desse conceito:

  1. O EBITDA é um valor absoluto, que mostra o lucro alcançado com as atividades operacionais;
  2. A margem EBITDA é um indicador relativo, um percentual obtido entre o resultado do EBITDA e a receita líquida da empresa.

Tanto o EBITDA quanto a margem EBITDA são importantes e, quando ambos são usados em conjunto, a gestão tem um panorama mais apurado sobre a eficiência operacional do negócio.

Em clínicas médicas, esses indicadores mensuram se a receita com consultas e procedimentos permite que a geração de caixa seja maior do que as despesas.

Além de apoiar os gestores na tomada de decisão, a margem EBITDA também facilita a análise dos possíveis investidores.

Empresas de capital aberto, ou que têm intenção de atrair investimentos, precisam disponibilizar esse indicador ao mercado. É uma forma de assegurar a competência da gestão financeira e operacional.

Como calcular a margem EBITDA?

Agora que já está mais claro o que é margem EBITDA e qual a sua importância, vamos partir para a prática!

O ponto de partida para o cálculo do EBITDA é ter acesso à Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), em que constam as informações necessárias. Esse relatório faz parte dos arquivos de contabilidade da empresa.

Com a DRE em mãos, aplique as seguintes etapas:

  • Encontre o valor do lucro líquido e some às despesas com impostos e tributos para chegar ao lucro sem tributação;
  • Some, também, os valores de depreciação e amortização;
  • Subtraia da soma total as receitas não provenientes de atividades operacionais. Isso inclui, por exemplo, empréstimos e retorno sobre aplicação de capital.

Até aqui, chegamos ao resultado do EBITDA. Agora, vamos calcular o percentual que se refere à margem EBITDA:

  • Divida o EBITDA pela receita líquida;
  • Multiplique o resultado por 100, chegando à margem EBITDA para o período que está sendo analisado.

Ficou confuso de entender? Veja, a seguir, o exemplo de um possível cenário mensal em uma clínica médica.

Cálculo do EBITDA

R$38.000 (lucro líquido) + R$5.700 (despesas com impostos e tributos) + R$1060 (depreciação) + R$650 (amortização) – R$1200 (receita com aplicação de capital) = R$44.210 (EBITDA)

Cálculo da margem EBITDA

R$44.210 (EBITDA) / R$135.000 (receita líquida) = 32,74% (margem EBITDA)

Um ponto importante é que o resultado da margem EBITDA deve ser, obrigatoriamente, menor do que 1. A explicação é bastante lógica: uma empresa não pode gerar lucro maior do que a própria receita.

Há chance de se chegar a um percentual negativo. Esse resultado é um sinal de alerta e precisa ser avaliado com atenção, porque mostra prejuízo na operação do negócio.

Analisando a lucratividade com margem EBITDA

Os números precisam de contexto para que ganhem valor estratégico; com a margem EBITDA acontece o mesmo. Assim, a primeira coisa a ser feita é interpretar o que está por trás do percentual.

Com o resultado de EBITDA robusto, pode parecer que a empresa está em uma situação bastante favorável. Mas, se esse valor for muito menor do que a receita líquida, ou seja, se a margem for baixa, percebemos que existe uma demanda por melhorias.

Vamos simular alguns números para que você possa visualizar as informações:

Em um determinado mês, uma clínica médica alcançou receita líquida de R$280.000 e EBITDA de R$52.000. Dessa forma, a margem EBITDA para o período foi de 18,5%. Apesar do desempenho positivo, a gestão precisa se questionar: há espaço para superar esse resultado? O indicador de 18,5% está coerente com o mercado?

Comparativos: entre períodos e concorrência

Calcular a margem EBITDA com base apenas nos resultados de um período pode não ser o suficiente. A avaliação de indicadores necessita de bases comparativas, por isso é fundamental realizar os cálculos constantemente.

Se considerarmos que a clínica médica do exemplo anterior reuniu dados dos últimos 12 meses, o panorama de análise fica amplo. A partir dos relatórios, é possível observar que a margem EBITDA variou entre 17% e 20% nos últimos quatro meses, depois de sofrer uma queda de quase 10%.

Nesse sentido, quais mudanças internas ou externas podem ter influenciado a queda? Há como recuperar o índice anterior? Essa é uma oscilação pontual ou que pode se repetir anualmente? Essas são algumas reflexões sobre as quais a gestão deve se debruçar.

A comparação da margem EBITDA pode se estender também à concorrência. Isso só é possível porque, em 2012, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) criou a padronização para cálculo do EBITDA.

Assim, tornou-se uma prática comum confrontar os indicadores entre negócios que atuam no mesmo segmento.

Como aplicar em clínicas e consultórios?

No contexto das clínicas e consultórios, a margem EBITDA tem grande utilidade. A equipe responsável pela gestão da empresa deve estabelecer o intervalo de análise do indicador, dedicando-se a um estudo comparativo de períodos anteriores e concorrência direta.

Alguns pontos interferem diretamente no lucro de estabelecimentos de saúde:

Como o objetivo da margem EBITDA é o lucro operacional, devem ser priorizados ajustes que, no dia a dia da empresa, reduzam despesas e tenham potencial para incrementar as receitas. A assertividade das decisões fica evidente nos relatórios seguintes.

Limitações e outros indicadores financeiros para a sua clínica

A margem EBITDA deve integrar um grupo de indicadores que avalia o desempenho do seu negócio. Como cada dado se concentra em um fator da empresa, é o conjunto que permite uma análise mais substancial.

No caso do EBITDA, as receitas e despesas no cálculo são apenas operacionais. Isso significa que não entram nesse indicador possíveis dívidas assumidas pela empresa. Mas isso pode ser de grande impacto para a gestão financeira do negócio, principalmente em razão dos juros. Então, não há como ignorá-lo!

A definição de indicadores pode ser bastante particular, mas há algumas variáveis que atendem clínicas e consultórios de forma geral. Veja algumas sugestões:

Ticket médio

Aponta o valor médio que cada atendimento rendeu para a clínica durante o período. É calculado dividindo o resultado do faturamento pelo número total de serviços prestados.

Margem de contribuição

Deduz as despesas necessárias para realizar cada atendimento do valor que a clínica cobra do cliente, identificando qual é a margem de lucro.

Tempo médio de atendimento e espera

De caráter qualitativo, esses indicadores estão associados à experiência do paciente na clínica e à eficiência dos profissionais no atendimento.

Dívida líquida

Esse é o valor da dívida de uma empresa, considerando empréstimos e financiamentos. Ao dividir a dívida líquida pelo EBITDA, você pode identificar a capacidade de um negócio em pagar o que deve a partir do seu lucro operacional.

Para finalizar, estabeleça metas de avaliação de performance da sua clínica médica. Faça pesquisas de mercado, identifique a sua capacidade interna e determine quais seriam os resultados esperados para cada indicador.

Também é importante lembrar-se de que os indicadores de desempenho e a gestão financeira são apenas parte da administração da clínica. Um negócio sustentável, com atendimento de excelência, une vários instrumentos dentro da sua estratégia.

Quero aprender sobre gestão financeira de clínicas!

Perguntas frequentes:

O que é margem EBITDA?

A margem EBITDA é o percentual que relaciona o lucro operacional com a receita líquida de uma empresa.

Para que serve a margem EBITDA em clínicas?

Mostra a capacidade da clínica em gerar lucro com base apenas nos serviços prestados: consultas, exames, procedimentos, entre outros.

Como a margem EBITDA impacta clínicas e consultórios?

A partir desse indicador, é possível comparar resultados até mesmo com a concorrência e tomar a decisão de ajustes operacionais para aumentar o potencial de lucro.

Categorias
Gestão para clínicas

Conheça a funcionalidade de sala de espera do Feegow Clinic

Manter uma sala de espera confortável e organizada deve ser um dos maiores objetivos em clínicas e consultórios. Ir ao médico, muitas vezes, é um fator de incômodo para o paciente, que pode não estar com a sua saúde 100%. Por isso, a experiência oferecida deve ser a melhor possível.

Assim, evitar recepções cheias e atrasos nos atendimentos deve ser uma prioridade. Com um sistema de gestão de agendas e uma prática humanizada, você é capaz de atingir essa excelência rapidamente. Saiba como, a seguir!

Qual é a importância da sala de espera para o paciente?

A sala de espera de uma clínica ou consultório deve ser um local seguro e confortável. Isso porque, dependendo da especialidade médica, do tipo de consulta e/ou dos sintomas, o paciente pode se sentir ansioso ou angustiado.

Devido a práticas inadequadas anos atrás, a sala de espera traz uma imagem de demora no atendimento. Portanto, é importante mostrar eficiência no serviço prestado logo que o paciente chega à clínica. Até porque, se o atendimento for ruim ou a espera muito longa, é possível que ele não retorne.

Pedir informações que o cliente já forneceu anteriormente, fazê-lo preencher documentos e levar muito tempo para recepcioná-lo são ações a serem banidas do seu cotidiano. Por outro lado, ter os dados do paciente em seu sistema agiliza os atendimentos e eleva o grau de satisfação.

Para evitar potenciais fatores de estresse nos pacientes e garantir sua satisfação com a clínica, a sala de espera deve atender a todos esses requisitos. Mas, como fazer isso?

Dicas para evitar uma sala de espera cheia

O objetivo de toda clínica médica deve ser reduzir a sensação de desconforto em seus pacientes e manter a sala de espera sem tumulto. Para isso, é preciso ter controle sobre a agenda e horários bem definidos.

Nesse sentido, trouxemos algumas dicas importantes a seguir!

Treine sua equipe de recepcionistas

Treinar as pessoas responsáveis pela organização da agenda é fundamental para um atendimento ágil. Afinal, elas precisam operar as ferramentas disponíveis e entender as regras básicas para os agendamentos, como tempo de consulta e respeito aos intervalos.

Calcule o tempo médio dos atendimentos

Cada tipo de consulta ou procedimento demanda um tempo diferente. Portanto, a equipe clínica deve estar ciente disso sempre que realizar novos agendamentos.

Os intervalos entre consultas também são margens importantes para casos de demora nos atendimentos – dessa forma, os horários seguintes não ficam atrasados.

Envie lembretes de consultas

Os lembretes de consulta evitam que os pacientes apareçam na clínica no horário errado, se esqueçam ou cheguem atrasados. Esta simples ação pode impedir que sua sala de espera fique cheia. É possível emiti-los através do envio de mensagens automáticas via SMS e WhatsApp, ou por integração com o Google Agenda.


Como usar a tecnologia na sala de espera?

Há várias maneiras de implementar a tecnologia na sala de espera de seu consultório. É possível disponibilizar wi-fi, soluções interativas para crianças e plugs USB para celulares.

Para agregar valor no atendimento, é preciso ser eficiente desde a chegada do paciente na clínica. Se você quer se destacar e oferecer serviços de excelência, leve em conta as seguintes tecnologias:

Totem de atendimento

O uso de totem para clínica médica incentiva o autoatendimento e a menor necessidade de intervenção humana na recepção. A ferramenta oferece senhas de acordo com o tipo de atendimento que o paciente deseja.

Um totem oferece autonomia e pode impactar positivamente a experiência, por ser fácil de usar. Assim, os colaboradores atendem por ordem de prioridade e chegada.

Check-in eletrônico

A ferramenta de check-in é importante para organizar a sala de espera e monitorar quanto tempo o paciente permanece na clínica. Ele é acompanhado desde o momento em que entra no estabelecimento até a finalização da sua consulta.

Através desta solução, é possível até agilizar pagamentos de consultas e procedimentos.

Armazenamento em nuvem

Muitos sistemas contam com este recurso, já que é um dos mais seguros para armazenar as informações da sua clínica. A nuvem evita perdas de dados e históricos do paciente, entre outros registros importantes.

Além disso, pelo fato de ter acesso online, o médico pode ler o prontuário do paciente antes mesmo de chegar ao consultório – tudo de forma remota.

Prontuário eletrônico

Ter acesso rápido aos dados completos dos pacientes agiliza a etapa de check-in. Isso porque visualizar o seu histórico, incluindo anamneses e exames, ajuda tanto a recepção quanto os próprios médicos.

O prontuário eletrônico também evita que o paciente precise repetir todo o seu histórico clínico, do qual ele pode esquecer detalhes importantes.

O próprio sistema já resgata estas entradas anteriores, auxiliando o processo do médico.

Recursos do Feegow Clinic para a sua sala de espera

Uma sala de espera otimizada oferece vantagens em termos de eficiência. Nesse sentido, um software para gestão clínica pode também agregar valor ao atendimento, pois diminui seu tempo de espera e melhora a experiência dos seus pacientes.

As soluções oferecidas pelo Feegow Clinic ajudam a organizar a clínica como um todo, desde o faturamento até a recepção. Em nossa plataforma, disponibilizamos um módulo exclusivo de agendamento com várias funcionalidades – dentre elas, uma é dedicada à sala de espera.

Estes recursos evitam que o paciente perca muito tempo na clínica, agilizando em paralelo as atividades da recepção. Veja as principais ferramentas que disponibilizamos:

  • Armazenamento em nuvem;
  • Prontuário eletrônico do paciente;
  • Gerenciador de fila de espera;
  • Totem de atendimento;
  • Acompanhamento em tempo real;
  • Check-in e checkout digitais;
  • Chamada de pacientes pela TV.

Todas estas soluções estão disponíveis no Feegow Clinic, podendo ser incorporadas ao seu atendimento para oferecer serviços de maior qualidade.

OBS: Alguns desses recursos são adicionais. Consulte nossas opções de planos.

Conheça as mais de 200 funcionalidades do nosso software e peça uma demonstração!

Perguntas frequentes:

Qual é a importância da sala de espera em clínicas?

A sala de espera em clínicas ou consultórios é uma espécie de cartão de visitas. Por isso, deve ser um local seguro e confortável.

Por que evitar uma sala de espera cheia?

Ir ao médico pode ser um tanto incômodo para o paciente. Por isso, sua experiência deve ser a melhor possível. Evitar recepções cheias e atrasos nos atendimentos deve ser uma prioridade. 

Como a tecnologia pode ajudar na sala de espera?

O uso de tecnologia na sala de espera ajuda a oferecer serviços de excelência e otimiza o tempo do paciente que aguarda na fila.

Categorias
Marketing Médico

Saiba a importância do marketing para o mercado healthcare

Construir uma relação mais próxima e duradoura com os pacientes e conquistar a sua confiança são os grandes objetivos do marketing para healthcare. As estratégias voltadas para clínicas e consultórios têm o potencial de alcançar um público maior e expandir o seu negócio. Ao mesmo tempo, a ideia é levar informação e educar as pessoas sobre a importância dos cuidados básicos em saúde.

Existem restrições impostas pelo Código de Ética Médica com relação ao marketing no setor. Porém, ainda existem muitas abordagens possíveis para serem exploradas na sua comunicação. A humanização destas práticas, inclusive, pode trazer diversos benefícios para sua imagem no mercado. Acompanhe nosso post!

Qual é a importância do marketing para healthcare?

Com o uso do inbound marketing para healthcare, é possível formar autoridade para a sua marca e seus profissionais. Para isso, você deve oferecer conteúdos personalizados e informativos sobre doenças, profilaxias e soluções relevantes para o público em geral.

A jornada do cliente começa na etapa de aprendizado, seja através de materiais em texto, vídeo ou outros formatos. A partir daí, você o conduz até o agendamento da consulta.

Uma pesquisa da Solomon McCown apontou que 66% das pessoas buscam informações sobre doenças e sintomas online, enquanto 41% tomam as decisões influenciadas pelas mídias sociais.

Outra vantagem do marketing para healthcare é a redução dos custos na captação de clientes. O investimento em veículos offline, como revistas ou TV, por exemplo, pode ser reduzido para focar em estratégias mais alinhadas com os interesses do seu público.

Como funciona a jornada do consumidor de healthcare?

A jornada do consumidor de healthcare é muito semelhante a de outros clientes. Uma das diferenças, porém, está no conteúdo que pode ou não ser divulgado, como veremos mais adiante.

Além disso, os serviços de saúde têm as suas particularidades com relação ao tipo de serviço prestado, devido à necessidade de seguir o Código de Ética Médica. Estes nichos lidam diretamente com o bem-estar das pessoas, e por isso as consequências de um mau atendimento podem ser problemáticas.

A seguir, conheça etapa por etapa a jornada em healthcare:

Etapa 1: Atração 

Seus pacientes podem procurar indicações no guia médico dos planos de saúde, com conhecidos ou no Google. É nesta etapa que sua clínica precisa de uma presença digital forte, a fim de alcançar um público proativo e bem informado.

De acordo com outro estudo, chamado Inside Look at Boomer Healthcare Consumers, cerca de 90% das pessoas que buscam informações sobre saúde pesquisam via internet. Isso significa que ter um site com conteúdo relevante, estar presente nas redes sociais e ter uma página no Google Meu Negócio, por exemplo, podem facilitar este processo de atração.

Por esses e outros motivos, é necessário desenvolver uma estratégia de marketing digital bem alinhada, seguindo as diretrizes do Conselho Federal de Medicina (CFM). 

Etapa 2: Conversão

A partir do momento em que o usuário toma conhecimento da sua clínica ou consultório, ele pode se transformar em um lead. Ou seja, a pessoa que segue sua empresa nas redes sociais e se interessa pelo seu conteúdo e/ou serviço.

Aqui, a ideia é que o usuário se interesse cada vez mais pelo atendimento e pelos serviços prestados pela sua empresa.

Para atingir esse objetivo, os conteúdos das suas redes sociais e do blog precisam ser engajadores. E-books informativos e infográficos ou newsletters podem fazer parte desta estratégia, a fim de direcionar conteúdos que sejam do interesse do seu potencial cliente.

Etapa 3: Agendamento

Chegando aqui, o lead se torna uma oportunidade real para a sua clínica, manifestando interesse no agendamento – mesmo que ainda não esteja totalmente pronto. Com isso, ele deve continuar acompanhando seus conteúdos até chegar à próxima etapa.

Para acelerar esse processo, é importante disponibilizar o agendamento multicanal, que facilita a tomada de decisão. Alguns exemplos disso são as mensagens instantâneas via WhatsApp e os acessos via login no site da clínica.

Etapa 4: Encantamento

O funil de vendas do marketing de healthcare não se encerra quando o paciente sai do consultório. O objetivo é continuar acompanhando a saúde desta pessoa e incentivá-la a agendar consultas de retorno, ou mesmo novos procedimentos. Lembre-se que isto é bom para o médico, que vê progresso em seu trabalho, e também para o paciente, que cuida do bem-estar e previne doenças.

Assim, o relacionamento pós-consulta pode ser iniciado, por exemplo, com uma pesquisa de satisfação sobre o atendimento. O paciente se sente importante, podendo até sugerir melhorias. Este tipo de contato pode ser automatizado com software de gestão clínica.

Etapa 5: Retorno ao início

Reiniciar o ciclo e marcar uma nova consulta é algo importante para a clínica, além de ser uma forma de medir o desempenho dos profissionais. É também por este motivo que o inbound marketing e a nutrição dos leads conquistados não podem parar.

healthcare

Possibilidades e restrições para o marketing de healthcare

O marketing médico, principalmente com as redes sociais, se tornou uma preocupação do CFM. Por isso, o órgão determinou algumas diretrizes para divulgação dos serviços de clínicas e consultórios.

A intenção é garantir um marketing ético que preze pela saúde e segurança de pacientes e não seja prejudicial ou enganoso. Nesse sentido, as regras não proíbem a divulgação da clínica, apenas restringem abordagens para o mercado de healthcare.


Possibilidades com ressalvas

  • Uso de redes sociais: é permitido o compartilhamento de informações relevantes, além de explicações sobre patologias e dicas de cuidados;
  • Comunicação sobre equipamentos e procedimentos: a clínica ou consultório pode fazer publicações para explicar procedimentos. Porém, não podem ser feitas comparações com outros equipamentos do mercado, por exemplo;
  • Publicação em blogs: os posts podem ser usados para divulgar o conhecimento científico da área médica, mas não com intuito de propaganda;
  • Menção a títulos e associações médicas: as especialidades divulgadas nas postagens devem se restringir a até duas.


Ações vetadas

  • Comparação entre tratamentos: dizer que uma opção da sua clínica é melhor do que a de um concorrente pode ser propagandístico ou até mesmo enganoso;
  • Divulgação de preços: anúncios que contém preços ou métodos de pagamento para tratamentos e procedimentos são proibidos;
  • Publicação de fotos de pacientes: permitido apenas em publicações científicas, com a autorização dos pacientes; 
  • Oferecimento de promoções: descontos ou promoções em serviços também não podem ser divulgados;
  • Antes e depois de procedimentos: também são proibidos, pois possuem caráter de propaganda e seus resultados nem sempre podem ser garantidos.


5 dicas para usar o marketing a favor da sua clínica

O marketing para healthcare possui certas particularidades que talvez você desconheça. Para saber por onde começar sua estratégia e obter sucesso, trouxemos 5 (cinco) dicas fundamentais em resumo:

  1. Crie conteúdos informativos sobre as especialidades médicas da sua clínica, como dicas de cuidados e informações sobre doenças;
  2. Utilize uma linguagem humanizada e empática para ajudar os potenciais clientes a resolverem problemas;
  3. Disponibilize canais de comunicação para que os pacientes possam tirar dúvidas e marcar consultas, como WhatsApp, redes sociais e chat;
  4. Mostre que a empresa se importa com o bem-estar dos seus pacientes, criando pesquisas de satisfação para saber a opinião sobre seus serviços;
  5. Mantenha um relacionamento próximo com seus pacientes, enviando informações relevantes por e-mail ou outros canais.


Vantagens das ações de marketing para clínicas médicas

Construir uma estratégia que leve à criação de conteúdos informativos e engajadores pode trazer grandes resultados para a sua empresa.

marketing voltado para healthcare deve ser sensível, humanizado e educativo. Afinal, quando buscam sobre alguma patologia, as pessoas podem estar fragilizadas ou mesmo preocupadas. Conheça algumas vantagens da aplicação dessa estratégia na sequência.


Reconhecimento do conteúdo de valor

Implementar estratégias sólidas e voltadas para as dores do seu público ajuda a fidelizar a audiência. A conquista de novos seguidores está ligada à geração de conteúdo de valor e conexão com o seu público.

Por isso, divulgar informações relevantes e promover ações de cuidado em saúde pode levar seu negócio mais longe. Além disso, se você possui um blog, é lá que seu conteúdo deve mostrar autoridade no assunto. Com estes recursos, sua clínica se torna conhecida e gera experiências positivas para os usuários.


Alcance de um público maior

O alcance do marketing digital no setor de healthcare é enorme! Apesar de as indicações boca a boca ainda terem grande impacto, a abrangência no digital é ainda maior. Se o seu consultório permite consultas online, as oportunidades são maximizadas.

Uma pessoa da sua região que não conhece sua clínica pode encontrá-la no Google ao pesquisar por uma especialidade médica, por exemplo. Mesmo sem conhecer alguém que já tenha consultado com a sua equipe, o usuário vê e tem acesso às avaliações e recomendações de outras pessoas.


Conquista de mais agendamentos

Como comentamos, a jornada do paciente começa pela atração, conhecendo os serviços prestados pela sua clínica. O início do relacionamento com o lead acontece na etapa de conversão, e você deve guiá-lo pelo funil de vendas até que se torne seu paciente.

Este movimento é necessário até que ele esteja preparado na hora de marcar a consulta, independente do formato de conteúdo usado.

Alimentar o lead com materiais interessantes do blog ou comunicações personalizadas via e-mail ou WhatsApp pode ser uma alternativa interessante.

É importante lembrar que healthcare é um tema em alta. As pessoas têm o costume de buscar por especialidades médicas para marcar consultas, ou mesmo encontrar informações sobre algum sintoma físico. E é nesta hora que você pode se destacar!

Para te ajudar a impulsionar sua agenda com poderosas ferramentas de comunicação, preparamos um webinar sobre o assunto.
Assista e saiba mais sobre como transformar seus seguidores em pacientes reais!

Perguntas frequentes:

Qual é a importância do marketing para healthcare?

Com marketing para healthcare, é possível gerar autoridade para sua clínica e para seus profissionais, além de reduzir custos com a captação de clientes.

Como funciona a jornada do consumidor de healthcare?

A jornada do consumidor de healthcare é muito semelhante ao funil de vendas, sendo composta pelas etapas de atração, conversão, agendamento, encantamento e retorno ao início.

O que pode (ou não) fazer no marketing médico?

As regras do CFM não proíbem a divulgação da clínica, apenas restringem determinadas abordagens para o mercado de healthcare.

Categorias
Gestão para clínicas

Tudo o que você precisa saber sobre prontuário eletrônico do paciente

Imagine a facilidade de ter todas as informações dos seus pacientes a um clique de distância, como histórico médico, laudos e tratamentos anteriores.

O Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) disponibiliza estes dados para os profissionais da sua clínica a qualquer momento, de qualquer lugar.

Além de contar com armazenamento seguro e garantir agilidade ao atendimento, o uso do PEP traz outras vantagens.

Neste artigo, vamos falar sobre o crescimento do prontuário eletrônico no Brasil, como se dá o seu funcionamento na rotina médica e de que modo escolher a melhor ferramenta.

O que é prontuário eletrônico do paciente?

O prontuário eletrônico do paciente (PEP) é a versão digitalizada do modelo tradicional, o antigo prontuário no papel. Um de seus objetivos é gerar economia para clínicas e consultórios, que diminuem o uso de papel e espaço para o armazenamento destes documentos.

A versão eletrônica chega para substituir a física, de papel e caneta. Ela é totalmente online e pode ser preenchida apenas com o auxílio de um computador ou dispositivo móvel que tenha acesso à internet.

Como concentra em um único lugar todos os dados, o prontuário eletrônico do paciente é fundamental na rotina de sua clínica. O PEP te dá acesso rápido a:

  • Agendamentos;
  • Alergias;
  • Medicamentos prescritos;
  • Vacinas;
  • Exames;
  • Laudos;
  • Doenças.

Por todas estas características, o prontuário se tornou indispensável para o atendimento em saúde, segundo resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM).

O PEP é individual e sigiloso, podendo ser acessado pelos profissionais de acordo com as permissões de usuário. Além disso, pode ser utilizado para fins jurídicos, resguardando tanto o paciente como os profissionais que o atenderam.

O uso do PEP em clínicas e consultórios

O prontuário eletrônico é um documento que contribui para a segurança do paciente, pois mantém todas as informações de sintomas e tratamentos registradas.

Mas também é um recurso que responde a aspectos legais, ajudando a comprovar que o profissional realizou os procedimentos mais adequados ao bem-estar da pessoa atendida.

A adesão ao PEP teve um crescimento nos últimos anos, quando entrou em vigor a Lei 13.787/2018, que discorre sobre a digitalização e o uso de informática para este tipo de documento.

Talvez o aumento significativo nos processos judiciais contra erros médicos tenha contribuído para o impulso dessa exigência. Afinal, ele confere mais segurança a todos os envolvidos.

Mas a discussão sobre o prontuário eletrônico do paciente iniciou em 2007, com a criação de critérios pelo CFM. Hoje, o uso obrigatório ajuda a resguardar a empresa, os pacientes e profissionais da saúde. Além disso, facilita o fornecimento de dados para pesquisas.

A medida partiu da ideia de que o PEP é uma solução eficaz e segura para o volume de documentos médicos. A possibilidade de armazenar arquivos por longos períodos, sem risco de perda, também foi fundamental nesta decisão.

A diferença entre prontuário eletrônico e processo manual

As informações registradas no prontuário, seja ele digital ou manual, podem comprovar os cuidados prestados aos pacientes. Os dois tipos têm validade legal, porém o eletrônico é mais versátil.

O PEP integra outros dados ligados às condições de saúde da pessoa e permite anexar laudos e exames anteriores, por exemplo. Estes dados nem sempre estão armazenados corretamente, ou mesmo acessíveis sempre que necessário, quando o prontuário é de papel.

Ambos os formatos podem ser eventualmente solicitados pelo próprio paciente, mas apenas a versão digital pode ser disponibilizada com simplicidade. Alguns softwares, como o Feegow Clinic, têm possibilidade de impressão do PEP sempre que necessário.

No caso de o paciente solicitar as informações do seu prontuário, o estabelecimento é obrigado a fornecer. Caso contrário, de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a clínica pode sofrer pena de sanção administrativa com alto impacto financeiro.

Em resumo, os principais benefícios do prontuário eletrônico em relação ao manual são:

  • Detalhamento das informações (o PEP permite anexar exames e laudos);
  • Acesso aos documentos de qualquer hora, em qualquer lugar, por qualquer dispositivo;
  • Segurança dos dados do paciente;
  • Legibilidade dos dados;
  • Facilidade de armazenamento e exportação;
  • Agilidade no preenchimento do documento.

O que deve ter no prontuário do paciente?

O CFM define quais são os itens obrigatórios do prontuário eletrônico do paciente, como dados pessoais, identificação do médico e relato da consulta.

Apesar disso, os campos podem ser personalizados de acordo com a especialidade médica e o procedimento, visto que cada clínica possui suas necessidades.

Veja o que precisa constar no documento:

Dados para identificação do paciente

Nome completo, data de nascimento (dia, mês e ano com quatro dígitos), sexo, nome da mãe, naturalidade (indicando o município e o estado de nascimento), endereço completo (nome da via pública, número, complemento, bairro/distrito, município, estado e CEP).

Descrição da consulta realizada

Anamnese, exame físico, exames complementares solicitados e seus laudos, hipóteses diagnósticas, diagnóstico definitivo e tratamento efetuado.

Informações sobre o estado de saúde

Evolução diária do paciente (com data e hora), discriminação de todos os procedimentos aos quais ele foi submetido e identificação dos profissionais que os realizaram, assinados eletronicamente.

Legibilidade e identificação do médico

Nos prontuários de papel, é obrigatória a legibilidade da letra do profissional que atendeu o paciente, bem como a identificação dos profissionais prestadores do atendimento. São também obrigatórios a assinatura e o respectivo número do CRM.

Relato médico completo

Em casos emergenciais, nos quais é impossível a colheita do histórico do paciente, deve constar o relato médico completo de todos os procedimentos realizados e que tenham possibilitado o diagnóstico e/ou a remoção para outra unidade.

Como funciona o prontuário eletrônico do paciente?

O prontuário eletrônico do paciente é uma ferramenta geralmente disponível dentro de um sistema médico.

O documento é quase igual à versão em papel utilizada nos consultórios, porém conta com mais eficiência, com preenchimento e armazenamento digital.

O PEP fica ao alcance do médico, paciente e outros profissionais da clínica sempre que necessário.

Além disso, a interface é simples e a solução, intuitiva. Isso porque possibilita a entrada de informações em texto e imagens, como exames e muito mais.

O acesso remoto é uma das grandes vantagens do PEP. Assim, o médico pode consultar os dados de um paciente fora do consultório, se necessário.

Como escolher um bom PEP? 

Para decidir pelo melhor prontuário eletrônico do paciente para sua clínica, é importante seguir alguns critérios de segurança, armazenamento e compatibilidade.

Como são muitos detalhes para prestar atenção, organizamos uma lista para que você possa escolher o sistema mais adequado e, assim, oferecer um bom atendimento.

Prefira opções com personalização

A especificidade dos serviços realizados em uma clínica é o que diferencia o seu negócio de outros semelhantes. Por isso, procure opções de PEPs que possam se adaptar ao que você precisa.

Incluir e excluir campos e seções no prontuário, por exemplo, facilita o seu preenchimento no consultório. Isso porque cada situação demanda um tipo de informação diferente.

Veja possibilidades de integração

A possibilidade de integrar o prontuário com outras ferramentas agiliza o atendimento, já que o histórico do paciente será de fácil acesso. Com a integração de algumas soluções do sistema, não há a necessidade de buscar dados importantes em pastas, por exemplo.

Assim, verifique a integração do software clínico com:

  • Agenda do médico;
  • Soluções de armazenamentos de exames;
  • Plataformas de telemedicina.

Dessa forma, até mesmo o acesso a laudos se torna mais ágil e seguro. O sistema pode vincular os exames do paciente ao seu prontuário, não havendo risco de misturar dados de pessoas diferentes.

Considere a segurança dos dados

A segurança é um quesito fundamental para qualquer empresa que trabalhe com gestão de informações pessoais. Nas clínicas de saúde, isso é ainda mais importante devido à necessidade de sigilo médico.

Ao fazer sua pesquisa sobre um software médico, é necessário se informar sobre:

  • Armazenamento em nuvem;
  • Criptografia;
  • Níveis de acesso;
  • Certificações de segurança, como SSL.
Verifique a compatibilidade com vários dispositivos

Acessar um sistema de dispositivos móveis é muito prático. Caso o médico precise fazer uma consulta a documentos durante uma emergência ou fora do horário na clínica, todo o conhecimento estará na palma da sua mão.

É importante observar também a versatilidade do software a ser adquirido. Quanto mais responsivo, melhor! Assim, os gastos com hardware podem ser minimizados, pois não é necessário um computador de última geração.

Avalie a eficiência do suporte técnico

Ter apoio técnico é fundamental para manter sua operação em dia. Afinal, você vai precisar de ajuda durante a implementação de um software, seja para a migração de todos os dados ou treinamento dos colaboradores.

Mesmo que não seja necessário atualizações, reparos ou outros auxílios, é importante contar com um suporte ágil, já que as suas atividades não podem ser interrompidas.

Veja a avaliação de outros usuários

A opinião de outros usuários sobre o sistema é sempre um bom validador antes de tomar a sua decisão.

Essa rede passa uma maior confiança no que estamos adquirindo. Assim, você evita problemas com um serviço que pode deixar a desejar.

>>> Leia mais sobre o assunto e descubra qual é o melhor PEP para sua clínica!

7 vantagens de contar com um prontuário eletrônico 

A facilidade que o prontuário eletrônico do paciente traz para o dia a dia já é por si só uma vantagem. Entretanto, outros benefícios impactam positivamente a qualidade do atendimento e melhoram a relação de confiança entre médico e paciente.

1. Agilidade

O principal ganho no uso do prontuário eletrônico do paciente na sua clínica é a agilidade no atendimento e realização do diagnóstico.

2. Legibilidade

A digitalização do prontuário do paciente evita que os registros anteriores sejam ilegíveis, independentemente do profissional que o atendeu.

3. Minimização de erros

O risco de perda de informações é reduzido a quase zero, já que tudo fica armazenado no sistema. Além disso, não há confusão e troca de laudos ou outros dados de pacientes.

4. Transparência

Com o prontuário online, o paciente pode solicitar à clínica ou consultório acesso ao seu histórico. O armazenamento na nuvem ainda ajuda a clínica a garantir a integridade dos dados.

5. Redução de custos

A digitalização elimina de vez o uso do papel no seu negócio. Não é mais necessário ocupar salas com arquivos e ficheiros. Além da economia com impressão e material de escritório, você gera economia na infraestrutura.

6. Disponibilidade

Com um software na nuvem, o PEP pode ser acessado de qualquer dispositivo móvel que tenha conexão à internet. Dessa forma, é possível ter rápido acesso às informações da última consulta, caso ocorra uma emergência ou você realize atendimentos domésticos.

Outra característica é que, caso o paciente realize mais de uma consulta na sua clínica, com diferentes profissionais, ambos têm acesso ao mesmo prontuário.

7. Segurança

Um sistema médico ajuda a proteger as informações fornecidas pelos seus pacientes. Os mecanismos de controle de acesso, por exemplo, são importantes nessa hora.

O Feegow Clinic é um software para gestão clínica que funciona de maneira 100% online e possui soluções na medida certa para o seu negócio. Com ele, você tem à disposição os módulos de prontuário eletrônico do paciente,  gestão de agendas e muito mais.

Quer praticidade e eficiência nos atendimentos da sua clínica? Conheça o Feegow Clinic!

Perguntas frequentes:

O que é prontuário eletrônico do paciente?

O PEP é a versão digital do modelo tradicional, que possibilita anexar laudos, exames e receitas. Uma das suas vantagens é o armazenamento de informações em tempo real na nuvem. 

O que deve ter no prontuário do paciente?

Os itens obrigatórios, de acordo com o CFM, são dados do paciente, relato da consulta e identificação do médico. Apesar disso, os campos podem ser personalizados, já que cada clínica possui suas necessidades.

Como funciona o PEP?

O prontuário eletrônico do paciente fica disponível em um sistema médico, que pode ser acessado a qualquer momento pelos profissionais da clínica para inclusão de dados.

Categorias
Gestão Financeira

Como migrar o controle financeiro da sua clínica para o digital?

Se você deseja obter um maior controle financeiro da sua clínica, com informações mais organizadas, é hora de pensar em uma gestão digital! O tempo de dados registrados em papel e prontuários preenchidos a mão acabou.

Assim como em outras áreas, a Medicina descobriu os benefícios de implantar sistemas para facilitar suas tarefas do dia a dia. Afinal, a gestão financeira de serviços em saúde requer atenção para manter a estabilidade e segurança dos pacientes.

As duas coisas não parecem estar muito ligadas em um primeiro momento. Porém, é necessário ter as contas em dia para, por exemplo, comprar materiais que garantam um bom atendimento, além da realização de procedimentos e do conforto de seus clientes.

Continue lendo e descubra como implementar uma gestão eficiente na sua clínica!


A importância de um controle financeiro para clínica

O controle financeiro em clínicas se dá por meio do acompanhamento das despesas e receitas. Analisar estes marcadores ajuda a entender o crescimento no faturamento e a fazer ajustes nos gastos.

A gestão apoiada por tecnologias é uma maneira eficiente de avaliar a saúde financeira da sua clínica ou consultório. Ela organiza as informações e possibilita a extração de relatórios precisos a qualquer momento para uma melhor tomada de decisão, como:

  • Acompanhamento do fluxo de caixa para pagar as despesas diárias, estimando o quanto o número de clientes deve crescer para cobrir os gastos;
  • Análise dos indicadores financeiros para diminuir os riscos da operação e garantir a sustentabilidade no futuro;
  • Pensamento estratégico para crescer, conquistar pacientes e melhorar serviços.

Hoje em dia, muitas das tarefas de gestão clínica podem ser feitas de maneira digital. A eficiência para acessar todo esse material é inegável.

O nível de detalhamento proporcionado também é grande, pois podem ser armazenados exames e laudos digitais que não ocupam espaço físico. Esse tipo de ferramenta também torna as informações muito mais seguras e automatizadas.

A gestão clínica bem executada, então, tem o poder de organizar as finanças do seu estabelecimento, bem como melhorar o atendimento de uma maneira geral.


O que é preciso para implantar a gestão financeira em clínicas?

Para implantar um controle financeiro eficiente na sua clínica, é necessário conhecimento de legislação, principalmente tributária.

Isto é fundamental para que o seu negócio não tenha problemas com a Receita Federal, por exemplo, e esteja sempre com todos os impostos e taxas em dia.

Fora isso, um dos principais objetivos da gestão clínica deve ser manter a qualidade do atendimento e não comprometer seu faturamento.

É preciso garantir que seu negócio seja rentável para oferecer uma boa infraestrutura e serviços em saúde que promovam o bem-estar dos pacientes.

A Feegow sabe que o controle financeiro de uma clínica, independente do seu tamanho, pode ser um grande desafio. Por isso, separamos atividades essenciais para sua gestão:


Mapeie as finanças da clínica

Ter conhecimento sobre os gastos fixos e variáveis é importante para a gestão financeira. Anote tudo para determinar os custos mensais e analisar se é possível alguma economia.

Observar também a fonte de receita é fundamental para entender se o momento é de crescimento ou de retração. Assim, você pode criar estratégias para aumentar os ganhos, atraindo novos pacientes e marcando mais consultas.


Organize as contas a pagar e a receber

Organizar as datas de pagamento das contas é essencial para não entrar no vermelho. Às vezes, você pode até mesmo negociar a data de vencimento de algumas despesas.

Este equilíbrio evita a ocorrência de pagamentos em atraso, multas e cortes de serviços básicos, como energia elétrica ou internet.

Cobrar os inadimplentes, por exemplo, é uma das maneiras de garantir a saúde financeira da sua clínica. Além de ser um direito seu pelo serviço realizado, esta ação pode ser vital para equilibrar as contas.


Tenha um planejamento

Planejar o crescimento e a melhoria da sua clínica é algo que deve estar no radar. Porém, é necessário estabelecer prioridades tanto em relação ao que é mais importante, quanto ao que é possível fazer de acordo com as suas finanças.

Ao criar este cenário, você consegue evitar contas arriscadas e avalia com cautela o que pode ou não ser feito.


Adote um sistema de gestão

O uso da tecnologia no dia a dia se tornou quase obrigatório para o acesso a dados e o controle financeiro de clínicas e consultórios. O maior ganho é justamente a centralização das informações e a possibilidade de elaborar relatórios para a tomada de decisão.

Além disso, a digitalização de processos reduz custos com papel e impressão, economiza materiais de escritório e diminui o espaço físico necessário para armazenamento de documentos.


Como garantir um bom controle financeiro na sua clínica?

O setor financeiro precisa estar atento a alguns detalhes para ser eficiente. Separamos 4 (quatro) itens essenciais para você acompanhar na gestão da sua clínica:


Atenção aos impostos

A tributação é diferente dependendo do serviço prestado, do procedimento realizado e do tamanho da clínica. Por esse motivo, a contabilidade deve ser feita com atenção e apoio de um especialista.

Se o estabelecimento for de pequeno porte, talvez seu imposto se enquadre em Pessoa Física. Mas se realizado de maneira incorreta, você pode ter problemas na regularização.

Caso o médico opte por usar seu CPF, ele deverá reter tributos na fonte com taxas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Imposto de Renda e Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) sobre os ganhos totais.


Controle do fluxo de caixa

Um fluxo de caixa organizado é fundamental para manter as contas em dia. Como já comentamos, acompanhar as transações realizadas é vital para entender o momento financeiro da empresa.

Tendo essas informações em mãos, faça planos para melhorar os serviços, pensando em eventuais reformas e tomando decisões sobre a captação de novos clientes, por exemplo. O uso de uma plataforma integrada dá suporte a este tipo de análise.


Registro de despesas

Existem despesas fixas e variáveis que devem ser registradas e analisadas. O intuito é compreender o que pode ser reduzido ou negociado em relação às contas a pagar e a receber, além da cobrança dos inadimplentes e do repasse dos convênios.

O registro de todos esses números é fundamental para não haver discrepâncias entre o orçamento previsto e o recebido.


Pagamento de pró-labore

Os valores de pró labore aos sócios e proprietários da clínica devem ser acompanhados, pois representam uma fração considerável no orçamento da clínica. Afinal, o recolhimento deve ser de 11% para o INSS no Simples Nacional e de 31% do lucro presumido.

O conhecimento da legislação tributária é imprescindível para não haver problemas com o fisco. Além disso, o recibo do pró-labore assinado pelos sócios ajuda a organizar o fluxo de pagamentos.


Principais benefícios do controle financeiro

O controle financeiro da sua clínica ou consultório organiza a saúde financeira a curto, médio e longo prazo.

Com o acompanhamento de resultados e uma visão ampla do seu negócio, é possível fazer um planejamento para redução de gastos ou expansão e melhorias.

Confira outros benefícios importantes dessa prática, a seguir!


Visão geral da operação

O controle financeiro lida com os custos operacionais, analisando os riscos e aumentando a eficiência dos seus processos. Para oferecer uma visão estratégica e dados confiáveis, uma ferramenta digital pode ser a solução.

acompanhamento dos indicadores deve ser feito periodicamente para prevenir erros financeiros. Essa ação também proporciona a identificação de novas oportunidades.


Centralização de informações


Além de facilitar o acesso a informações financeiras da sua clínica e dados dos pacientes, um sistema de gestão pode centralizar tudo isso, minimizando falhas. Com tudo isso em mãos, seu negócio oferece mais segurança e efetividade nos cuidados com o público.

O controle de estoque de materiais e medicamentos também pode ser feito pelo software de gestão clínica.

Evitar desperdícios e compras em excesso é muito importante ao gerir as finanças do seu estabelecimento.

Produtividade

Uma boa gestão minimiza retrabalhos, contribuindo para a produtividade do corpo clínico.

As soluções de agenda inteligente, confirmação de consultas e outras possibilidades de automação tornam o trabalho manual desnecessário.

Dessa forma, sobra tempo para que seus colaboradores se dediquem a outras atividades mais estratégicas.

Independência de espaço físico

Sistemas de gestão ideais são aqueles que possuem armazenamento em nuvem. Esta tecnologia é mais segura, pois possui backup constante.

Com esta solução, não há necessidade de um servidor físico – que ocupa muito espaço e consome energia elétrica. Gerando assim, mais um ponto de economia.


Migrando a gestão clínica para o digital com a Feegow


Se você está pensando em gerenciar de maneira inteligente a agenda dos seus médicos e ainda fazer seu negócio crescer, a Feegow pode ajudar. Com nosso software de gestão clínica, você pode otimizar tarefas e ter total controle financeiro com:

  • relatórios detalhados das entradas e saídas de caixa;
  • gráficos para acompanhar o crescimento da clínica;
  • diversas funcionalidades que facilitam o dia a dia financeiro.

Adotar um sistema como o Feegow Clinic leva mais organização e praticidade para o seu dia a dia.

A digitalização dos processos diários e centralização das informações oferecem segurança na gestão e garantem muito mais eficiência à sua operação.

Sabemos que cuidar do bem-estar dos seus pacientes e ter uma gestão eficaz é vital para o crescimento do seu negócio. Por isso, elaboramos um e-book gratuito com dicas de planejamento financeiro.

Baixe agora mesmo e veja como a tecnologia pode te ajudar!

Perguntas frequentes:

Qual é a importância de um bom controle financeiro para consultório?

Ter um bom controle financeiro é importante para acompanhar as receitas e despesas, planejando as próximas ações sem comprometer o orçamento.

O que é fundamental na gestão financeira para clínicas?

A gestão clínica precisa estar atenta a impostos, fluxo de caixa, custos fixos e variáveis e pró-labore para manter os negócios em ordem.

Por que investir na digitalização da gestão clínica?

A digitalização contribui para uma gestão eficiente pois minimiza os retrabalhos, melhora a produtividade da clínica e mantém todos os dados importantes centralizados. Assim, o controle financeiro é maior.

Categorias
Notícias

8 séries médicas que todo profissional deve maratonar

As séries médicas costumam ser um tipo de entretenimento que chama a atenção do público em geral, não apenas de profissionais da saúde. Desde que surgiram as primeiras produções na década de 1990, este ramo cresceu muito!

Com o advento das redes sociais, as séries médicas se popularizaram por meio das fan pages e memes. Elas possuem alto poder engajador, podendo ser usadas para inspirar conteúdos nas redes sociais e no blog da sua clínica ou consultório.

O uso de séries médicas para entretenimento


Os fãs de séries médicas dizem que elas são viciantes. O primeiro motivo, geralmente, é a trama que envolve os personagens principais. O decorrer dos episódios mostra os seus conflitos pessoais e as habilidades em fazer diagnósticos e salvar vidas.

Já o segundo motivo de serem tão instigantes costuma ser o aprendizado. Mesmo que as séries médicas contenham bastante ficção, elas abordam alguns cuidados reais a serem tomados para evitar doenças e ajudar pessoas em situações de emergência.

Para médicos e outros profissionais da saúde, a história pode oferecer identificação com os seus próprios desafios, fazendo com que eles se interessem por acompanhar como os personagens resolvem certas questões.

Preparamos uma lista com séries médicas incríveis que você precisa conhecer!

8 séries médicas para assistir no tempo livre


Grey’s Anatomy


Atualmente com 17 temporadas, Grey’s Anatomy é a mais longa entre as séries médicas, desde 2005 no ar. A trama acompanha a vida da protagonista, a cirurgiã Meredith Grey (Ellen Pompeo), em seu trabalho no hospital Seattle Grace. Suas conquistas profissionais, batalhas diárias e a vida afetiva são os focos do seriado.

A personagem é filha de uma das cirurgiãs mais famosas dos Estados Unidos e luta para seguir os passos da mãe, acabando por se tornar tão boa quanto ela.

A frequência com que acontecem situações inesperadas com as personagens é uma das características principais que fazem desta série médica uma das mais famosas da área.

Os episódios mais recentes de Grey’s Anatomy são transmitidos pela Sony Brasil, mas as temporadas antigas também estão disponíveis na Netflix. Cada temporada conta com 24 episódios de cerca de 40 minutos.

House


Centrada em um personagem mal-humorado e genial ao mesmo tempo, House ganhou popularidade pelos casos clínicos raros. O personagem que dá nome à série, Dr House, com conhecimentos de infectologia e nefrologia, foi interpretado por Hugh Laurie.

A série foi ao ar entre 2004 e 2012, totalizando 8 (oito) temporadas que estão disponíveis na Netflix. Apesar da veracidade científica e da rotina no hospital Princeton-Plainsboro serem questionadas por profissionais da área, ela caiu no gosto do público e da crítica. Chegou a receber diversos prêmios, incluindo dois Globos de Ouro.

The Good Doctor


No ar desde 2017, The Good Doctor acompanha o jovem Dr. Shaun Murphy (Freddie Highmore), um cirurgião talentoso diagnosticado com autismo e savantismo que luta para ser reconhecido por seus colegas de trabalho.

O personagem tem grande conhecimento, mas possui problemas de comunicação e socialização por conta da sua condição rara. A série está disponível no GloboPlay.

Hospital New Amsterdam 


Com 3 (três) temporadas e início em 2018, Hospital New Amsterdam é uma série médica inspirada no hospital público mais antigo dos Estados Unidos, o Bellevue. Essa história acompanha o Dr. Max Goodwin (Ryan Eggold), diretor médico que tenta mudar a forma de gerenciamento da instituição.

Ele se propõe a acabar com a burocracia e oferecer cuidados excepcionais. Sua ideia é dar uma nova cara à instituição, considerada carente e com poucos recursos, e recuperar sua glória. A série é transmitida no canal Fox Life e no streaming Fox Premium.

Sob Pressão 


Representante brasileira da lista, a série Sob Pressão possui 3 (três) temporadas, mas já foi confirmada pelo menos até a quinta. A produção é da Rede Globo e procura fazer um retrato fiel do exercício da Medicina em um hospital público no Rio de Janeiro.

Os dramas pessoais vividos pelos protagonistas Evandro (Júlio Andrade) e Carolina (Marjorie Estiano) são acompanhados pela dificuldade de atendimento no hospital e carência de recursos. A série está disponível no GloboPlay.

Scrubs


Se você busca um programa com bom-humor, Scrubs é a programação perfeita. A série ficou no ar durante 9 (nove) temporadas, entre 2001 e 2010.

Misturando casos clínicos, estereótipos profissionais e doses de comédia, os episódios eram narrados pelo protagonista  J.D. Dorian (Zach Braff) e cheios de reflexões sobre a vida.

ER – Plantão Médico


ER é uma dentre as séries médicas mais clássicas, sendo pioneira no nicho. Durou 15 temporadas, sendo produzida de 1994 a 2009.

A marca de série mais longa só foi batida por Grey’s Anatomy, e fez tanto sucesso que foi indicada ao Emmy Award nada menos do que 123 vezes!

O foco dos episódios era a rotina agitada dos profissionais e a adrenalina da emergência. Além disso, os dramas vividos pelos personagens – que eram interpretados por atores de ponta, como George Clooney e Julianna Margulies – e as histórias dos pacientes também chamavam a atenção.

Chicago Med


Com 4 (quatro) temporadas, desde 2015, Chicago Med mostra a rotina de profissionais de saúde de um pronto-socorro em Chicago. A série médica é derivada da mesma franquia de Chicago Fire e Chicago P.D.

Os problemas dos personagens e conflitos éticos da profissão se misturam às situações de emergência. Muitos dos casos são inspirados em histórias reais e já houve até mesmo homenagens às vítimas da COVID-19. No Brasil, Chicago Med é transmitida na Universal TV e na Record.

Agora é hora de maratonar!


A maioria dos serviços de streaming possuem séries médicas. Com eles, torna- se mais fácil buscar programas relacionados com a sua área – e ainda se divertir nas horas de folga.

Além disso, você pode ter ideias para divulgar seus serviços com base no que é falado na série, ou se inspirar na situação de algum personagem. Esta é uma maneira de atrair a atenção do público e até mesmo viralizar.

>>> Gostou das nossas dicas? Venha visitar outros conteúdos do nosso blog para saber mais sobre a Área Médica, atuação e curiosidades.

Para turbinar a gestão clínica e de consultórios, o Feegow Clinic é o software ideal. Saiba mais sobre a nossa plataforma e melhore seus serviços!

Perguntas frequentes:

Por que vale a pena assistir a séries médicas?

Porque o entretenimento é garantido, misturando os conflitos pessoais dos personagens e as habilidades dos médicos em fazer diagnósticos e salvar vidas, fora o aprendizado.

Quais são as principais séries médicas, no momento?

Grey’s Anatomy, Chicago Med, The Good Doctor e a brasileira Sob Pressão são séries médicas que fazem sucesso e estão em produção atualmente.

Todas as plataformas de streaming possuem séries médicas?

Com a popularidade das séries médicas, é possível encontrar opções na Netflix, Amazon Prime Video e GloboPlay. O Disney+ é uma das únicas plataformas que ainda não as disponibiliza no seu catálogo.

Categorias
Gestão para clínicas

Como criar uma central de repasse médico e pagar os profissionais?

Organizar uma central de repasse médico em sua clínica é fundamental para manter os pagamentos dos profissionais em dia.

Muitas vezes, as diferenças de valores nas consultas e procedimentos podem causar dúvidas na hora de fazer os cálculos.

Os pagamentos ainda incluem porcentagens devidas à clínica para manutenção e salário de outros profissionais, assim como os da própria administração.

Dessa forma, a tarefa se torna burocrática e cheia de detalhes, podendo causar problemas com a Receita Federal, caso não seja bem planejada e executada.

Saiba a importância de estabelecer uma central de repasse médico assertiva e algumas dicas para organizar o seu fluxo de informações!

O que é repasse médico?


O repasse médico é a ação minuciosa de separar os valores a serem recebidos entre convênio, clínica e profissional periodicamente. Chamado também de rateio ou comissão,  pode ser um desafio para a administração clínica se não houver organização.

A central de repasse médico pode ser controlada por um profissional que acompanhe e registre os atendimentos realizados em consultório. No entanto, ter uma ferramenta que integre essas informações facilita os cálculos.

Quando são feitos manualmente, é comum ocorrer erros, pois geralmente o número de pacientes atendidos é grande e você pode acabar se esquecendo de alguém ou de algum detalhe importante.

Além disso, os cálculos dependem do que foi previsto no contrato de cada profissional e nem sempre são porcentagens idênticas. Este é um detalhe que merece atenção para não errar nas contas. As variáveis que definem uma regra de repasse podem ser muito complexas, dependendo da operação da clínica.

Por conta disso, as informações podem ficar espalhadas e algo passar batido. Isso pode causar problemas no faturamento e até divergências na hora de declarar os impostos, por exemplo.

Muitas vezes, é preciso levar em conta o faturamento relativo aos convênios, o que pode dar um pouco mais de trabalho, pois requer atenção para não comprometer o orçamento da empresa.

4 dicas para criar uma central de repasse médico


O repasse médico é um processo cheio de etapas. Por isso, o ideal é criar uma central, a fim de evitar a ocorrência de falhas. A separação do que deve receber cada profissional deve ser feita com todo o cuidado.

A centralização dos dados em um local ajuda a calcular as porcentagens devidas a cada parte. Veja, a seguir, como organizar este setor na sua clínica:

1. Centralize os dados em um único local


O uso de um software de gestão ajuda a criar uma central de repasse. Com ele, você pode ter uma melhor visão sobre tudo o que ocorre na sua clínica.

Sem contar que planilhas de preenchimento manual, como Excel ou Google Sheets, ocupam tempo da administração e abrem espaço para erros.

A maior perda de tempo em uma central de repasse é armazenar dados em diferentes arquivos, ou em locais separados. Isso gera atrasos na hora de fazer as contas mensais, pois por vezes faltam informações relevantes.

Assim, um sistema de gestão clínica pode ser um facilitador, além de uma ferramenta confiável, ao contrário das planilhas.

2. Crie uma separação por atendimentos, profissionais e convênios


Ter critérios de separação de dados é importante para organizar as diferentes categorias de atendimento. Isso facilita a visualização na hora de calcular o que cada profissional tem a receber.

Para isso, você deve especificar o tipo de procedimento, se houver, bem como registrar se a consulta foi feita por meio de um plano de saúde. Estas categorias são importantes para simplificar o rateio.

3. Revise os cálculos


Principalmente as clínicas que possuem grandes demandas precisam revisar os cálculos de repasse médico. A central pode ter dificuldades dependendo das condições, já que as especialidades médicas podem ter valores diferentes de consulta.

Por ser uma tarefa burocrática e demorada, a revisão é algo fundamental para perceber se houve alguma incoerência nos resultados. Assim, o armazenamento centralizado das informações, mais uma vez, pode agilizar a conferência da administração clínica.

4. Implemente uma ferramenta para facilitar o repasse


Além de tornar os cálculos automáticos, o sistema de gestão clínica pode aumentar a produtividade da sua equipe e incentivar o foco em outras tarefas mais estratégicas.

Até mesmo a revisão pode ser impactada positivamente. Um software é capaz de fazer a leitura dos dados e calcular com precisão o repasse para cada profissional da clínica no período escolhido.

As melhores soluções neste sentido são as que utilizam nuvem para armazenamento dos dados. A segurança dos níveis de acesso, além da independência de um servidor físico, que possui limites de espaço e pode gerar problemas, são importantes diferenciais que garantem a integridade das suas informações (e de seus pacientes).

Como calcular o repasse médico para profissionais?


Para facilitar o repasse médico, já existem ferramentas que automatizam essa atividade e a tornam mais eficiente. É necessário apenas configurar com antecedência os critérios de pagamento para cada profissional, de acordo com os atendimentos realizados.

Quando você alimenta um sistema de gestão clínica com dados corretos e relevantes, o relatório gerado no final do mês é mais assertivo. A centralização torna essa atividade escalável e 100% eficaz.

Uma ferramenta de automação minimiza a possibilidade de erros e calcula os repasses automaticamente. Basta selecionar o período a ser contabilizado, o profissional a receber e o convênio pagante, se houver. Os cálculos podem ser realizados de duas formas:

  • Por agendamento: a base é o valor cadastrado para cada atendimento. Assim, quando a recepção sinaliza o comparecimento no sistema, ele calcula o repasse;
  • Por recebimento: realiza o cálculo com base nas receitas recebidas pela clínica no período. Assim, dependendo do método de pagamento, ou se houver convênio envolvido, o médico pode receber em outro mês que não seja o do atendimento.


Estruturando uma central de repasse médico com Feegow Clinic


Para contribuir com a sua central de repasse, o Feegow Clinic possui campos de entrada de informações como método de pagamento e convênio. Ao inserir no prontuário, a ferramenta já contabiliza o que deverá ser recebido pelo médico.

Talvez alguns profissionais da sua clínica possuam configurações específicas de repasse, previstas em contrato. Para que isso seja feito corretamente, estes critérios devem ser inseridos no sistema – é super fácil e leva apenas alguns minutos.

O Feegow Clinic torna mais organizada a rotina da sua central de repasse médico. Disciplina e centralização são fatores que tornam a gestão clínica mais fácil e sem erros.

A central de repasse médico e a gestão de pagamentos em geral são temas que geram dúvidas em muitos profissionais, devido às minúcias das atividades.

Para ajudar você neste momento, produzimos um e-book com dicas sobre como manter as contas da sua clínica em dia. Conheça algumas técnicas de gerenciamento eficientes e garanta a otimização dos processos internos, minimizando falhas!

>>> Acesse nosso material gratuito

Perguntas frequentes:

O que é repasse médico?

É a tarefa minuciosa de separar os valores a serem recebidos entre convênio, clínica e profissionais periodicamente.

Como funciona uma central de repasse médico?

Uma central de repasse médico oferece controle e registro dos atendimentos realizados na clínica, bem como realiza o pagamento dos envolvidos.

Como calcular o repasse para profissionais da saúde?

Para calcular o repasse médico, existem ferramentas de automação que solicitam apenas os critérios de pagamento para cada profissional, de acordo com os atendimentos feitos.

Categorias
Gestão para clínicas Tecnologia para clínicas

Conheça as funções de lembrete de consulta do Feegow Clinic

Com o uso de smartphones e a automatização de tarefas em diversas áreas, o lembrete de consulta se tornou um recurso importante para as clínicas médicas. 

Essa ferramenta tem influência direta no faturamento mensal, pois reduz a taxa de absenteísmo dos pacientes de maneira radical.

As lacunas na agenda são um grande desafio para as clínicas. Por isso, soluções simples como o lembrete de consulta viram grandes aliados na gestão do consultório. 

Continue lendo e saiba como incorporar essa funcionalidade no seu dia a dia!

O que diz o CFM sobre lembrete de consulta?

O Conselho Federal de Medicina (CFM) é favorável ao uso de plataformas de mensagens instantâneas para comunicação entre médicos e pacientes, ou entre profissionais de uma instituição. Portanto, o lembrete de consulta é liberado!

Este tipo de recurso deve ser usado em caráter privativo apenas para enviar dados e tirar dúvidas. Outras situações em que as mensagens podem ser utilizadas são:

  • Acompanhamento da evolução do quadro de saúde;
  • Orientações em caráter emergencial;
  • Pedido de comparecimento ao consultório.

É proibido, por exemplo, realizar consultas, prescrever medicamentos e até mesmo emitir diagnósticos por estes meios, assim como enviar dados sigilosos aos pacientes.

Além disso, é vedado o compartilhamento de dados de pacientes em grupos de discussão informal, ainda que haja apenas médicos.

A importância de contar com um software para clínicas

Ter um sistema de gestão clínica facilita o processo de automatização dos lembretes de consulta. Isso porque já existem diversas opções de softwares no mercado com módulos de agenda, atendimento, financeiro e gerenciamento.

Esses recursos agilizam a rotina e mantêm o alto nível gerencial da sua clínica. Além da confirmação de consulta por mensagem, a agenda médica e de equipamentos também podem ser integradas para facilitar a gestão de filas de espera. 

Quando os pacientes são atendidos, os prontuários eletrônicos permitem atualização das informações em tempo real e direcionamento estratégico para a equipe da clínica. 

Na prática, isso significa que todos os processos envolvendo dados dos pacientes podem ser simplificados. Um sistema de gestão permite extrair relatórios, analisar indicadores de desempenho e acompanhar as finanças do seu empreendimento. 

Esse tipo de ferramenta ainda minimiza erros humanos e contribui para um atendimento de excelência para seus clientes. A centralização de funções em uma única ferramenta evita o uso de vários sistemas, o que pode atrasar a conclusão das tarefa (além de gerar mais custos).

Como enviar lembrete de consulta com Feegow Clinic?

O Feegow Clinic possibilita o envio de mensagens automáticas e personalizadas para os seus pacientes. Os lembretes de consulta e outras comunicações importantes podem ser enviadas de várias maneiras. Veja abaixo:

SMS

Um SMS é enviado automaticamente para o paciente, lembrando-o do seu agendamento. Além da data e horário, aparecem o nome do médico e tipo de consulta. 

WhatsApp

Da mesma forma que o SMS, a integração com WhatsApp dispara automaticamente uma mensagem lembrando o paciente da sua consulta.

O envio tem um pequeno custo por mensagem e pode ser programado para um dia antes da data agendada.

Neste caso, o paciente pode responder com a confirmação de consulta.

Google Agenda

A integração com o Google Agenda permite a programação de um lembrete do evento por notificação no celular. 

Além disso, o Feegow Clinic oferece funcionalidades como gerenciamento de SAC. Nele, ficam armazenados o histórico de reclamações e solicitações e os contatos de pacientes.

Este recurso lhe dá base real para otimizar os serviços disponibilizados e o atendimento ao público. 

Assim, você fornece autonomia aos pacientes na hora da marcação de consulta e simplifica os agendamentos da sua equipe.

Este é um ponto importante para a satisfação dos seus clientes, pois o bom atendimento tem início na praticidade e nas soluções ágeis. A conveniência é cada vez mais relevante na relação entre pacientes e médicos.

Quais são as vantagens desse recurso para as clínicas?

O lembrete de consulta por mensagem facilita o contato entre a sua clínica médica e seus pacientes. Dessa forma, a comunicação contribui para um melhor controle das agendas.

Automatização do contato com paciente

O lembrete de consulta pode ser enviado de maneira automática para o paciente, o que desobriga médicos e recepcionistas de ligar para cada um em busca de confirmação. 

O sistema padroniza avisos e executa ações para melhorar seu atendimento, reduzindo o trabalho da equipe. No módulo de agendamento online, o software possibilita ao paciente tanto a confirmação da consulta quanto o reagendamento.

Automação que gera eficiência!

Reorganização da agenda

O lembrete de consulta evita que o paciente se esqueça da consulta e não compareça ao consultório, sendo essa uma situação que pode comprometer seu faturamento mensal. 

Caso ele desmarque ou reagende o seu horário, a equipe tem tempo hábil para ocupar o espaço vago. Isso porque o sistema alerta e sugere alternativas de encaixe, por exemplo. 

Redução de absenteísmo nas consultas

Uma das grandes vantagens do lembrete de consulta é a redução na ocorrência de faltas. Assim, o paciente assume a responsabilidade e pode optar pelo reagendamento.

É melhor liberar este horário com antecedência do que mantê-lo preenchido, sem que o paciente compareça. Esta situação impede que você contate outro paciente, deixando a agenda com lacunas. 

Reduzindo as faltas e facilitando os reagendamentos, a sua receita aumenta de forma imediata.

Fidelização de pacientes

O lembrete de consulta é apenas uma das formas de ter comunicação mais próxima com seu público. Por conta desse relacionamento, ao enviar mensagens sobre sua clínica (como  pesquisas de satisfação), você consegue criar um vínculo com os pacientes. 

A jornada do paciente não finaliza após a consulta. Por isso, deve haver a fidelização e retenção destas pessoas.

Conte com Feegow Clinic para otimizar a gestão clínica

O Feegow Clinic possui soluções automatizadas e inteligentes que se adaptam à gestão clínica da sua empresa. Ele oferece praticidade desde o agendamento online, contando com recursos integrados de prontuário eletrônico e confirmação de consultas. 

Armazenamento de dados em nuvem, backup automático e personalização nos níveis de acesso ao sistema são ferramentas que oferecem maiores níveis de segurança às informações da clínica e dos pacientes. 

A agenda múltipla, um dos grandes diferenciais do Feegow Clinic, pode aumentar em 75% as confirmações de consultas. Esse faturamento com certeza ajudará seu negócio a crescer, certo? 

Veja o case da Alba Saúde, que aumentou em 15% a marcação de consultas com nosso software.

Se você quer conhecer nossas mais de 200 funcionalidades para tornar a gestão da sua clínica eficiente, faça um teste gratuito com o Feegow Clinic!

Perguntas frequentes:

O que diz o CFM sobre lembrete de consulta?

O Conselho Federal de Medicina (CFM) é favorável ao uso de plataformas de mensagens instantâneas para comunicação entre médicos e pacientes, como o lembrete de consulta.

Quais são as possibilidades de lembrete de consulta com Feegow Clinic?

Com o Feegow Clinic, o lembrete de consulta pode ser enviado por SMS, WhatsApp e Google Agenda. 

Por que contar com Feegow Clinic na gestão clínica?

Um sistema de gestão como o Feegow Clinic pode facilitar a automatização de lembretes de consulta, a organização de agenda, o faturamento e a gestão clínica em geral.

Categorias
Marketing Médico

Como fazer um podcast médico? Veja os benefícios para o seu consultório

O podcast é um tipo de conteúdo em áudio que pode ser acessado através de serviços de streaming ou arquivos próprios. Esse formato de conteúdo virou o queridinho do público nos últimos anos e pode ser escutado quando o usuário quiser. Mas, você já se perguntou como fazer um podcast médico – e se isso é viável?

Existem podcasts de diversas áreas de conhecimento e que já possuem audiência fiel. O número de usuários na plataforma Spotify, por exemplo, gira em torno dos 320 milhões. O potencial deste formato de conteúdo se torna cada vez mais óbvio, por isso muitos consultórios estão buscando como fazer podcast também.

Além do próprio marketing médico e da possibilidade de ganhar visibilidade, o podcast tem grande poder informativo. Isso porque é o seu conhecimento de especialista que irá ajudar a levar cuidados em saúde para os ouvintes. Este fator é importante para ganhar autoridade e ser reconhecido pelos pacientes.

Um dos benefícios de saber como fazer podcast é a construção de um relacionamento com seu público.

Oferecer esse tipo de conteúdo acaba sendo um serviço extra-consulta que auxilia até nos tratamentos. Assim, o podcast pode ser um diferencial para conquistar a confiança de seus pacientes e suas famílias.

Descubra como fazer um podcast em 9 passos 

  1. Planeje todas as ações

O primeiro passo é entender qual o objetivo do podcast e qual o público que você deseja atingir. São pacientes ou outros profissionais da área médica? Ao definir esta parte, já é possível dar início a um calendário de gravações e lançamento dos episódios.

  1. Escolha a plataforma

A forma como esse material será disponibilizado é importante para que você se organize na hora de publicar. É possível colocar o mesmo material em mais de uma plataforma para atingir públicos que utilizem aplicativos diferentes. Além do Spotify existe o Deezer, o Soundcloud e muitos outros.

  1. Decida o formato

O formato precisa ser planejado antes de iniciar a produção. Será um bate-papo entre apresentador e especialista em alguma área da Medicina? Ou apenas uma pessoa comentando? E quem serão estas pessoas?

  1. Defina os participantes

Escolher o participante vai além de uma parceria, é preciso ter comprometimento com a continuidade e disponibilidade para gravações. Ao definir o formato, você pode escolher se haverá convidados e já agendar as publicações.

  1. Determine o tempo de duração 

Definir a duração dos episódios ajuda a manter um padrão e limitar os temas abordados. O tempo também está relacionado ao interesse do seu público-alvo nos assuntos e na disponibilidade para escutar os programas.

  1. Estabeleça os temas 

É importante limitar os tópicos abordados em cada tema para que o episódio não fique muito extenso e cansativo. Você pode fazer séries sobre um mesmo assunto, porém abordando-o de forma diferente para não esgotar as ideias.

  1. Dê um nome para o seu podcast

O nome do seu podcast médico precisa ser marcante e deve ter relação com a identidade do seu consultório. Lembre-se que quanto mais curiosidade ele causar, mais pacientes pode atrair até você, elevando as chances de crescimento.

  1. Prepare cada episódio

A preparação é um item essencial para a gravação. É necessário escolher os materiais que você precisará, como gravador, microfone e um local silencioso para ter uma boa qualidade de áudio. O roteiro também é importante para direcionar o assunto e evitar esquecimentos. Após a gravação, será necessário editar, colocar uma vinheta e fazer o upload nas plataformas que você escolheu.

  1. Divulgue

O lançamento de cada episódio precisa ser divulgado para o seu público para ter audiência. Existem diversas maneiras de fazer isso, seja comentando com os pacientes, divulgando nas suas redes sociais, ou através de e-mail e listas de transmissão no whatsapp.

Quais são os benefícios de um podcast para o seu consultório?

Decidir como fazer um podcast para o seu consultório pode impactar no seu relacionamento com os pacientes de diversas formas. Selecionamos alguns benefícios para você pensar na produção como uma possibilidade de crescimento do seu negócio:

Marketing médico

Um podcast pode ser útil para o seu marketing médico, pois ajuda a construir autoridade sobre a sua especialidade e cuidados dos pacientes. Com isso, seu consultório pode se tornar mais conhecido e sua agenda, mais cheia.

Ampliação do cuidado

O podcast médico pode funcionar como uma extensão dos cuidados com seus pacientes, mesmo se tratando de um ambiente virtual. Isso porque pode fornecer informações e orientações sobre cuidados com a saúde e prevenção de doenças.

Afinal, não precisa estar doente para ir ao médico, certo? Você pode aproveitar a oportunidade para divulgar práticas de promoção da saúde no dia a dia.

Fidelização dos pacientes

O objetivo dos médicos é que seus pacientes retornem ao seu consultório, alcançando a fidelidade. Assim, é possível acompanhá-los com maior atenção e garantir um fluxo saudável de receita. O podcast pode ajudar nesse quesito, pois traz sensação de proximidade com o médico e a certeza de que ele se preocupa com os pacientes.

Relacionamento digital

O contato mais próximo através de canais virtuais ajuda a aumentar o relacionamento com seus pacientes. Eles acabam se sentindo especiais por receberem cuidado através daquele material. Certamente, os pacientes preferem quem os dá atenção em relação a médicos que não tenham essa preocupação.

Confiança do seu público

Ao escutar você falando e dando dicas de cuidado, seus pacientes vão sentir uma maior confiança no seu trabalho e em deixar a saúde em suas mãos. Com o tempo, você pode conquistar novos ouvintes e fidelizar cada vez mais o seu público.

Existem alguns mecanismos para você conseguir alavancar a agenda e o faturamento do seu consultório. Um deles é o uso das redes sociais, onde é possível mostrar seu trabalho e oferecer informações para que seus pacientes mantenham a saúde em dia.

Se você quer colocar esta estratégia em prática e usar as redes sociais como ferramentas de comunicação, acesse nosso webinar sobre como impulsionar sua agenda!

Perguntas frequentes:

Por que criar podcast para pacientes?

A criação de um podcast médico está ligada à extensão do cuidado com os pacientes para além do consultório, além de demonstrar preocupação com o seu bem-estar. 

O que deve ter em um podcast médico?

Um podcast médico deve trazer informações relevantes sobre sua especialidade para os pacientes e dicas de saúde.

Quais são os benefícios de um podcast para o seu consultório?

Os benefícios de um podcast médico são: construção de autoridade em assuntos de saúde, alcance de novos pacientes e impulsionamento da agenda médica.

Este site utiliza cookies para otimizar a sua experiência de navegação!