Categorias
Tecnologia para clínicas

Por que oferecer consultas com psiquiatra online?

O psiquiatra online se tornou uma figura importante para levar conforto aos pacientes, principalmente durante a pandemia.

Alguns estudos apontam que, em 2020, o número de diagnósticos de transtornos como depressão e ansiedade cresceu cerca de 10% no país. No entanto, ao longo de 2021, a tendência é que essa porcentagem aumente ainda mais.

Oferecer consultas online não é só um meio de chegar aos seus pacientes de maneira segura. Também é uma oportunidade de modernizar seus atendimentos, gerar melhores experiências aos clientes e até mesmo se destacar no mercado.

Acompanhe nosso post para entender como esse serviço pode ser oferecido e por que você deve investir na psiquiatria online!

Qual é a importância da consulta com psiquiatra online?

Lidar com a saúde mental e manter a qualidade de vida do paciente são assuntos de maior preocupação do psiquiatra online.

Apesar de os diagnósticos psiquiátricos terem crescido pouco e depois se estabilizado, uma pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em 2020, apontou que:

  • 65% dos entrevistados aumentaram o sentimento de raiva;
  • 63% tiveram sintomas somáticos resultados de ansiedade;
  • 50% relataram alterações no sono.

Estes números mostram a importância do paciente procurar ajuda psiquiátrica para, ao menos, ficar atento aos sintomas que podem atrapalhar sua rotina.

Mesmo a distância, o médico consegue fazer um diagnóstico a partir da anamnese e da formação do quadro clínico do paciente.

O psiquiatra online pode ainda solicitar exames, fazer laudos e receitar medicamentos, tudo com o uso de ferramentas tecnológicas.

O papel do psiquiatra online durante a pandemia

Pelo fato da consulta online facilitar o acesso a atendimentos médicos, a telemedicina evita que pacientes se exponham a riscos. Com os casos de coronavírus em crescimento, é importante manter saudáveis aqueles que já possuem alguma fragilidade psiquiátrica.

A exposição a locais públicos pode ser um fator que gera ansiedade e dá gatilhos para algum tipo de crise de pânico, por exemplo.

A opção de realizar consultas de casa motiva o paciente a não interromper o tratamento, principalmente se estiver fazendo uso de medicamentos.

O acompanhamento é muito importante para checar as doses da medicação, as reações ao tratamento e as possibilidades de ajustes.

A psiquiatria online também ajuda a tornar esse tipo de atendimento mais acessível, já que o deslocamento não precisa ser considerado pelos pacientes.

A economia é grande não apenas com combustível ou aplicativos de viagens, mas com tempo, que pode ser aproveitado de outras maneiras. Neste quesito, o médico também possui vantagem.


5 vantagens de oferecer teleconsulta na psiquiatria


Não ter necessidade de deslocamento até o consultório é um benefício importante na hora de oferecer consulta com psiquiatra online. No entanto, outras características do atendimento precisam ser levadas em conta para melhorar a experiência do paciente e trazer diferencial para sua clínica.

1. Conforto do paciente


Por mais que os consultórios sejam planejados para que os pacientes se sintam bem, a pessoa pode se sentir mais confortável em sua própria casa para falar sobre o que está sentindo.

Oferecer esta opção é uma boa estratégia para que a clínica possa atender pessoas com dificuldade de se abrir fora do seu porto seguro.

Além disso, é uma oportunidade para que o médico conheça sua rotina e o ambiente.

2. Facilidade


Um ponto importante sobre a telemedicina é a facilidade do paciente em não precisar se deslocar até o consultório. Dessa forma, o início da consulta é muito mais ágil, pois são minimizados os riscos de atrasos dos dois lados.

3. Flexibilidade


A abertura de agenda de psiquiatria online é mais flexível em relação aos horários, pois menos variáveis afetam o tempo de atendimento, como o deslocamento dos pacientes até o consultório.

Esta característica ainda impacta positivamente o paciente, que se adapta melhor graças ao tempo poupado no trânsito.

4. Segurança de dados


A preocupação com a segurança de dados dos pacientes merece atenção e pode ser um diferencial para sua clínica.

As ferramentas costumam oferecer criptografia, armazenamento em nuvem e servidores dinâmicos e seguros. Além disso, elas integram prontuários eletrônicos e dados sigilosos inerentes à prática médica.

Para prestar atendimento remoto, o sistema utilizado deve restringir o acesso somente a pessoas autorizadas. Por isso, escolha um software com estas características!

5. Maior alcance de público


Além da autonomia do médico em atender sem a necessidade de um consultório físico, e do paciente em escolher quando e onde será atendido, é possível alcançar um público maior.

Se você tem pacientes que se mudaram para outra cidade ou estado e interromperam o tratamento, por exemplo, eles podem voltar a se consultar!

Conte com Feegow Clinic e ofereça consultas online


Se você precisa de um software médico para realizar consultas online, o Feegow Clinic é uma solução completa e muito intuitiva.

Você pode utilizar nosso sistema de qualquer dispositivo móvel com acesso à internet e sem precisar de um programa instalado, pois tudo funciona na nuvem.

Nele, os agendamentos são feitos normalmente. A diferença é que, se a sua opção for teleconsulta, ela será selecionada no momento da marcação. A seguir, o sistema envia um link para que médico e paciente entrem na sala virtual no horário marcado.

Para um atendimento excelente, verifique se sua conexão à internet tem um bom sinal e se mantém estável. Cheque também o funcionamento da câmera e do microfone.

O restante é feito automaticamente, pois tudo acontece dentro do prontuário eletrônico do paciente.

Caso não esteja na clínica, atente-se para fazer a consulta em um local tranquilo e oriente seu paciente a fazer o mesmo. Assim, ele poderá aproveitar esse tempo de autocuidado da melhor forma.

O Feegow Clinic protege os dados trocados entre o psiquiatra online e o paciente, assim como diagnósticos e receitas.
Se você está pensando em implementar um sistema para teleconsultas e monitoramento remoto, conheça o Feegow Clinic!

Perguntas frequentes:

Qual é a importância de um psiquiatra online?

Lidar com a saúde mental e manter a qualidade de vida do paciente são os assuntos de maior preocupação do psiquiatra online, que pode pedir exames e receitar medicamentos para atuar nesse sentido.

Como funciona uma consulta com psiquiatra online?

Com o Feegow Clinic, você pode utilizar qualquer dispositivo com acesso à internet e não precisa ter um programa instalado, pois o sistema é todo na nuvem. Basta conferir que a câmera e o microfone funcionam e que a conexão é estável.

Qual é o papel do psiquiatra online na pandemia?

Pelo fato de a consulta online facilitar o acesso a atendimentos médicos, a telemedicina evita que os pacientes sejam expostos a riscos e sofram crises de ansiedade e pânico.

Categorias
Gestão para clínicas

O que é CNES, como funciona e por que criar o seu? + Passo a passo

Você sabia que, para prestar atendimento em saúde, toda clínica deve ter um Cadastro Nacional? O CNES é um registro obrigatório que forma uma grande base de dados para o Ministério da Saúde.

A construção do mapeamento de todas as instituições de saúde tem o objetivo de garantir a legalidade de atuação e também facilitar a busca por serviços especializados. Confira o post e veja como solicitar o seu CNES!

O que é CNES?

CNES é a sigla para o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, um registro obrigatório a todos os estabelecimentos que prestam serviços de saúde no Brasil. A base de dados oficial do Ministério da Saúde recolhe informações de:

  • Instituições públicas,
  • Estabelecimentos privados;
  • Negócios conveniados;
  • Pessoas físicas;
  • Pessoas jurídicas.

Vale ressaltar que estes dados também ficam disponíveis para toda a população. Dessa forma, os pacientes podem utilizar o CNES para se informar sobre a legalidade de uma unidade de saúde antes de realizar um procedimento.

Por meio do CNES, o Ministério da Saúde tem um maior controle sobre a demanda dos serviços médicos em cada localidade do país e organiza os repasses ao Governo.

A ideia é oferecer informações para o Governo Federal sobre o planejamento e a gestão em saúde das clínicas e consultórios. Além disso, é possível verificar quantos e quais estabelecimentos foram abertos ou fechados em um determinado período.

O cadastro tem como finalidade principal um melhor gerenciamento do Sistema Único de Saúde (SUS), pois ajuda as instituições a terem um panorama sobre as suas operações. Dessa forma, os dados da base facilitam a tomada de decisão.

Isso porque reúne informações como dimensão, recursos, número de colaboradores e serviços disponíveis.

Como surgiu o CNES?

Os primeiros mapeamentos dos serviços de saúde no Brasil foram realizados por meio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 1976. Este embrião do CNES era chamado de Pesquisa de Assistência Médico-Sanitária (AMS), e possibilitou a coleta de dados de hospitais, ambulatórios e ambientes de urgências.

Os primeiros registros oficiais evoluíram para um sistema de pagamento de contas do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (INAMPS). Eles permitiram identificar a disponibilidade de:

  • Número de leitos;
  • Especialidades médicas;
  • Unidades de Terapia Intensiva (UTI);
  • Laboratórios;
  • Profissionais de saúde.

As fichas de cadastro que davam origem a estas informações continuaram a ser utilizadas nas décadas seguintes pelo Sistema de Assistência Médico-Hospitalar da Previdência Social (SAMPS) e pelo Sistema de Informações Hospitalares (SIH).

Entre 1994 e 1997, foi criado o Sistema de Informação Ambulatorial (SIA). A partir de uma fusão de módulos SIA e SIH e da adição de formulários importantes para o mapeamento, o Ministério da Saúde instituiu um cadastro nacional para os estabelecimentos do país.

Essa base completa e atualizada dá os subsídios necessários para a operacionalização de outros sistemas de monitoramento da rede assistencial, como:

  • Sistema de Informação Ambulatorial (SIA);
  • Sistema de Informação Hospitalar (SIH);
  • E-SUS Atenção Primária (e-SUS APS).

Em 2000, surge o CNES, como resultado de estudos para reformular as fichas cadastrais e definir diretrizes de registro de todas as Unidades Ambulatoriais e Hospitalares.

Nesta época, ainda eram contabilizados somente estabelecimentos que atendiam o SUS. A partir daí, passaram a ser recolhidas as informações de todos, mesmo fora da rede pública. A implementação efetiva do CNES em todo o país aconteceu em 2003.

Como funciona o CNES?

O CNES fica disponível em um portal do Ministério da Saúde para consulta de qualquer pessoa que deseje procurar informações sobre os estabelecimentos. Por esse motivo, é importante que os dados passados estejam corretos.

É por meio deste portal que você garante transparência aos seus pacientes e os informa sobre a legalidade da atuação da sua clínica. As pessoas que procurarem seus serviços saberão que podem confiar nos seus profissionais e na idoneidade do negócio.

Neste portal, os gestores podem fazer atualizações nos cadastros, caso seja necessário.

Por que uma clínica deve ter o seu?

O CNES é obrigatório para qualquer empresa que ofereça serviços de saúde. Caso uma clínica não se inscreva ou esteja irregular, seu funcionamento é considerado como ilegal, podendo sofrer sanções e penalidades.

Uma das possíveis punições é a perda de vínculos com planos de saúde e retenção de pagamentos, pois as operadoras só podem fazer o repasse a profissionais cadastrados no CNES. Isso prejudica a estabilidade financeira do local e também afeta os profissionais da clínica.

Passo a passo para solicitar o CNES


O registro de um estabelecimento no CNES deve contemplar dados sobre equipamentos, profissionais e infraestrutura. Ao todo, são 15 fichas que abordam diferentes serviços e setores. O cadastro é feito pelo gestor da clínica, na Secretaria de Saúde do seu município ou estado.

É importante lembrar-se de que todos os profissionais da saúde devem ser cadastrados, mesmo que atendam em mais de um local e estejam registrados nestes outros locais.


1. Documentação necessária


O primeiro passo para solicitação do CNES é a obtenção da Licença da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Alvará de Funcionamento da prefeitura.


2. Cadastro dos gestores


No portal do CNES, preencha os dados solicitados pelo sistema. Caso haja mais de uma unidade de saúde sob a mesma administração, repita o processo para todas elas.


3. Classificação do estabelecimento


A atividade primária desenvolvida define o tipo de estabelecimento, como diagnóstico, terapia, unidade mista, consultório, entre outras. Para este cadastro são exigidos:

  • Nome e razão social;
  • Endereço;
  • Tipo de atendimento prestado;
  • Serviços especializados (neurologia, fisioterapia etc);
  • Formação de equipes;
  • Responsável técnico;
  • Serviços de apoio;
  • Capacidade de instalação;
  • Tipos de equipamentos;
  • Filiação a cooperativas e sindicatos.


4. Cadastro dos profissionais


O gestor da clínica deve fazer o cadastro de cada um dos profissionais, pois o CNES solicita os dados individualmente. Na ficha do profissional são solicitados:

  • Nome completo;
  • CPF e RG;
  • Escolaridade;
  • Classificação Brasileira de Ocupações (CBO);
  • Registro no conselho de classe;
  • Atendimento ou não pelo SUS.


5. Encaminhamento da documentação


As fichas preenchidas devem ser assinadas pelo gestor responsável da clínica e, depois, encaminhadas para a Vigilância Sanitária local. Aqui, são requeridas duas vias junto com o restante da documentação.

O estabelecimento receberá um número de CNES se todas as informações estiverem corretas e forem aceitas pelo sistema. Caso contrário, o Ministério da Saúde pode solicitar ajustes.

Dependendo do tamanho da operação, como consultório isolado ou clínica de pequeno porte, você pode utilizar o Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES). Ele é uma versão mais simples, com menos campos para preenchimento, que coleta as informações básicas sobre estes estabelecimentos de saúde.

O CNES é essencial para o funcionamento de sua clínica, já que mantê-lo atualizado influencia diretamente a sua gestão financeira e legalidade de atuação.

Fazer a gestão inteligente deste tipo de documentação deve ser parte da sua rotina para que profissionais e pacientes não sejam prejudicados. 
Para te ajudar a pensar de maneira estratégica, preparamos um e-book gratuito com dicas fundamentais para administradores de clínicas. Baixe agora mesmo!

Perguntas frequentes:

O que é CNES?

CNES é a sigla para o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, um registro obrigatório a todos os estabelecimentos que prestam serviços de saúde no Brasil.

Para que serve o CNES?

O CNES garante a legalidade de atuação das clínicas e facilita a busca de serviços. Caso uma clínica não se inscreva no CNES ou esteja irregular, seu funcionamento é visto como ilegal, podendo sofrer sanções ou penalidades.

Como funciona o CNES?

O CNES fica disponível em um portal do Ministério da Saúde para consulta por qualquer pessoa que deseje procurar informações sobre os estabelecimentos.

Categorias
Gestão para clínicas

O que é e como controlar e reduzir a sinistralidade na sua clínica?

Você sabia que, se a sua clínica realiza exames e procedimentos em excesso com um plano de saúde, ela pode ser punida pela operadora? Isso acontece porque a taxa de sinistralidade se torna muito alta.

Para controlar o índice, a solução não é evitar atendimentos por convênios. A resposta, na verdade, é focar na prevenção e melhorar a assistência em saúde.

Continue lendo para entender do que se trata a sinistralidade, como calculá-la e de que forma aplicar ações para diminuir a taxa.

O que é sinistralidade?

A sinistralidade é um índice aplicado aos planos de saúde que mensura a relação entre o custo para um procedimento e o valor pago pela empresa.

O sinistro é gerado a cada vez que o convênio é acionado. Ou seja, para a realização de consultas, exames e procedimentos é calculada a sinistralidade.

De maneira prática, quanto maior a frequência de uso do plano de saúde, maiores são as despesas da operadora.

Sendo assim, quando há uso excessivo, o reajuste anual pode ser alto. Isso porque, para a contratação do plano, é calculado um índice com base no histórico do beneficiário.

Caso o índice de sinistralidade esteja acima da média da contratação, esse percentual é mais alto, afetando o valor a ser pago pelo paciente.

Além da frequência de acionamento do plano de saúde, outras variáveis que afetam a sinistralidade são:

  • Valor das mensalidades, que precisa ter uma faixa mínima para cobrir os custos de assistência da rede;
  • Ocorrência de catástrofes ou pandemias, pois há um aumento na procura pelos serviços nestas situações.

Como é calculado o índice?

Para contratar um plano de saúde empresarial, por exemplo, a organização paga o valor estipulado à operadora, chamado de prêmio.

A sinistralidade é calculada com base na divisão dos custos anuais totais dos sinistros dos colaboradores pelo prêmio. Depois, esse valor é multiplicado por 100, para encontrar o percentual de sinistralidade. Ou seja:

Sinistros/Prêmio = Índice x 100

Vejamos uma situação hipotética, em que a empresa paga R$ 150.000 à operadora e os gastos com procedimentos de saúde sejam de R$ 180.000:

180.000/150.000 = 1,2 x 100

calculando a sinistralidade


O impacto da sinistralidade sobre as clínicas

Segundo um levantamento da Agência Nacional de Saúde (ANS), a taxa de sinistralidade dos convênios gira em torno de 84%, ultrapassando 90% nos planos de autogestão.

Estes números indicam que grande parte da receita das operadoras de planos de saúde está comprometida com o pagamento de assistências aos beneficiários. Dessa forma, sobram até 16% para os gastos restantes, como folha de pagamento e manutenção.

A longo prazo, esse cenário pode ser preocupante para convênios, clínicas e consultórios.

Os efeitos de uma gestão desqualificada nas clínicas podem levar a pedidos de exames e consultas desnecessárias, por exemplo.

Isso mostra que a prestadora de serviços não é uma boa parceira, devido ao aumento da sinistralidade.

Caso o convênio perceba que existem pedidos fora do número médio em sua rede, ele pode rever a negociação.

O impacto na rede credenciada e nos pacientes pode ser grande, já que médicos podem sair da cobertura do plano como punição.


Como reduzir a sinistralidade? 

A maioria das ações para redução da sinistralidade está relacionada à prevenção de doenças e incentivo à vida saudável.

Tanto para os planos de saúde quanto para as clínicas, é importante controlar esse índice, pois ele se reflete nos repasses médicos e no faturamento das clínicas.

Muitos convênios já oferecem programas de bem-estar e fazem campanhas voltadas à saúde dos seus beneficiários. 

Ao mesmo tempo, as empresas tentam reduzir custos em saúde, oferecendo ambientes de trabalho mais agradáveis, refeitórios saudáveis e ginástica laboral. 

O beneficiário também paga uma conta alta quando o assunto é coparticipação. Nesta modalidade de convênio, o colaborador arca parcialmente com as despesas assistenciais. 

A adoção do plano nessa modalidade pode contribuir para o uso consciente do convênio, já que cada colaborador é responsável pelo pagamento de uma pequena parte do valor referente a consultas e exames.

Reunimos algumas dicas para ajudar sua clínica a ficar de olho na sinistralidade e ajudar na sua redução:

  • Promova ações de saúde e bem-estar por meio de campanhas de conscientização;
  • Incentive a realização de exames preventivos periódicos;
  • Invista em ferramentas de gestão para levantar estatísticas sobre seus pacientes;
  • Monitore os indicadores de saúde de seus clientes para tomar melhores decisões;
  • Identifique comportamentos fora do comum, como pedido de exames em excesso;
  • Monitore a prestação de serviços para avaliar a qualidade da assistência;
  • Implemente um sistema de auditoria em saúde para apurar dados e melhorias. 

O Feegow Clinic te ajuda a controlar a sinistralidade

O Feegow Clinic é uma plataforma que te ajuda a coletar dados sobre a operação da sua clínica e, assim, minimizar a sinistralidade.

Nosso software possui diversas funcionalidades administrativas, incluindo o faturamento dos planos de saúde

Ele armazena, de maneira segura, os dados referentes aos beneficiários e procedimentos realizados. Dessa forma, você pode extrair estatísticas e analisá-las para tomar melhores decisões.

Quer saber como gerenciar seu faturamento e ainda ser um bom parceiro das operadoras de planos de saúde, diminuindo a sinistralidade?

Baixe agora nosso e-book gratuito com dicas para aumentar o faturamento da sua clínica e domine os processos financeiros!

Perguntas frequentes:

O que é sinistralidade?

A sinistralidade é um índice aplicado aos planos de saúde que mensura a relação entre o custo para um procedimento e o valor pago. Ela é calculada a cada atendimento.

Como calcular o índice de sinistralidade?

A sinistralidade é calculada dividindo os custos anuais dos sinistros dos colaboradores pelo valor pago à operadora de saúde. Deste índice, multiplicam-se 100.

Como reduzir a sinistralidade?

A maioria das ações para redução da sinistralidade estão relacionadas à prevenção de doenças e incentivo à vida saudável.

Categorias
Tecnologia para clínicas

Como abrir um consultório online com a Feegow?

Já pensou em como seria ter um consultório online? Sabia que isso é possível graças à tecnologia?

O atendimento médico virtual é uma das grandes tendências para o setor da Saúde e promete seguir avançando a cada dia.

A pandemia acelerou a popularização dessa modalidade. Porém, quando a COVID-19 for controlada, os consultórios online vão permanecer.

São vários os motivos para isso: mais comodidade, acompanhamento médico frequente, foco na prevenção e muito mais.

No entanto, para que tudo isso seja possível, é preciso contar com o suporte e a estrutura tecnológica adequada.

Nesse sentido, uma plataforma de gestão clínica é essencial para abrir o seu consultório online.

Continue a leitura e saiba como ela pode te ajudar tanto na abertura, como no seu dia a dia!

Mas, o que é um consultório online? 

O consultório online é uma solução de atendimento médico virtual. Com ele, os pacientes não precisam sair do conforto do seu lar para comparecer à consulta.

A utilização se popularizou na pandemia, seja por clínicas oferecendo o serviço ou pelos próprios pacientes aderindo.

Para reduzir a capacidade oferecida na operação presencial, devido às medidas de segurança contra a COVID-19, adotar cuidados especiais para que as pessoas continuem tendo acesso à saúde é essencial.

Abrir um consultório online faz parte de uma estratégia que conecta médicos e pacientes no ambiente digital. Algumas das ferramentas utilizadas com esta finalidade são:

  • Agendamento online;
  • Acesso remoto ao histórico do paciente;
  • Prontuário eletrônico;
  • Prescrição digital;
  • Assinatura eletrônica;
  • Plataforma de teleconsulta.

Como funciona um consultório no ambiente digital?

O consultório virtual pode funcionar tanto para clínicas em estágios iniciais quanto para estabelecimentos já consolidados. O ambiente virtual representa a possibilidade de  ampliação do atendimento, de forma fácil e segura em muitos casos.

Para que o consultório online funcione, os processos precisam ser digitalizados. Assim, as informações se tornam disponíveis para médicos, pacientes e corpo clínico.

Ter uma página na internet e um software clínico são pontos de partida essenciais. Dessa forma, você pode promover uma comunicação integrada e eficaz entre os envolvidos.

Passo a passo para abrir o seu consultório online

Para oferecer seus serviços a pessoas que, por qualquer motivo, não podem comparecer presencialmente à consulta, invista em alguns pontos estratégicos:

Trabalhe o marketing digital da sua clínica

Uma boa estratégia de marketing digital facilita que os pacientes encontrem sua clínica no Google. Isso oferece visibilidade ao seu negócio, além de formar sua autoridade online.

A presença nas redes sociais também é importante, pois muitas vezes é onde estão seus futuros pacientes. Lá, eles podem acessar informações relevantes sobre saúde e adquirir conhecimento em relação à sua empresa. Uma boa imagem favorece a fidelização.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) já autoriza este tipo de conteúdo, que se tornou fundamental para propagar informações educativas especializadas.

Crie uma página na internet

Para construir sua presença digital, ter uma página na internet é uma porta de entrada incrível. Mais do que isso, com essa ferramenta a seu favor, você pode firmar seu consultório virtual.

Muitas vezes, existe a possibilidade de integrar uma plataforma de atendimento ao seu site. Isto facilita não apenas que o paciente encontre o seu negócio, mas também marque uma consulta.

Organize a agenda online

Sincronizar as agendas dos médicos é fundamental para que o atendimento virtual da clínica funcione. Muitas vezes, os profissionais trabalham em mais de um local, e esta organização evita erros no agendamento.

Uma possibilidade para evitar conflitos de horários é definir quando o profissional não estará disponível, bloqueando a marcação de consultas nesse período.

Além disso, o planejamento da agenda se torna mais rápido e eficiente tanto para a clínica quanto para o médico. A vantagem para o paciente é o conforto e a praticidade na hora de agendar seu atendimento online.

Faça o uso do prontuário eletrônico 

O prontuário eletrônico é uma das principais ferramentas do consultório online. Com ele, os médicos têm acesso ao histórico do paciente, dados cadastrais, medicamentos já prescritos e evolução de doenças.

Essas informações são muito importantes antes da realização de novos procedimentos. O recurso ainda torna os futuros atendimentos mais rápidos e assertivos.

Automatize o relacionamento com os pacientes 

O envio de lembretes de consulta e pesquisas de satisfação é algo interessante para o atendimento online. Faz parte da experiência do paciente receber comunicações da sua clínica para se sentir mais próximo e acolhido.

Assim, não só você colhe o feedback do que precisa melhorar, mas também conquista a confiança das pessoas ao se preocupar com o bem-estar e a qualidade do atendimento.

Conte com a plataforma Feegow Clinic

Um consultório virtual precisa de recursos para atendimento, como envio de receitas e laudos a distância. Ter um ambiente confiável para realizar essa interface entre médico e paciente é fundamental para uma experiência digital completa.

5 benefícios ao abrir um consultório virtual com Feegow Clinic


1 – Possibilidade de receituário online


Uma das grandes necessidades no atendimento remoto é a emissão de receita digital. Com o Feegow Clinic, isso já é possível! O médico faz a receita e, assim que o paciente a recebe, pode imprimir para apresentar em uma farmácia.

Além da praticidade, outra vantagem é que o preenchimento digital evita incompreensão na escrita do medicamento e da dosagem indicada. Inclusive, a receita permanece no sistema e no histórico do paciente, podendo ser consultada em novos atendimentos.

2 – Facilidade na coleta de dados 


Com informações digitais, a sua coleta para avaliação de históricos dos pacientes é mais fácil. Este acesso possibilita também fazer um levantamento para conhecer melhor seu público, entender as doenças mais comuns a serem tratadas, descobrir a média de faixa etária, entre outros aspectos.

O armazenamento e a sistematização destes dados facilitam os processos administrativos assim como o resgate de valores de faturamento.

3 – Envio de laudos digitais


O atendimento online deve ter um ambiente que permita o envio rápido e seguro de laudos digitais. Tanto o médico quanto o paciente recebem o laudo logo após a realização de um exame, o que facilita para ambos o acesso ao resultado.

Isso economiza tempo de deslocamento do paciente e de atendimento do médico.

4 – Otimização do tempo da equipe


Um dos grandes benefícios do ambiente virtual é a agilidade em momentos pré e pós consulta, por conta de recursos de automatização.

Além disso, a tecnologia melhorou a experiência do paciente com a possibilidade de lembretes de consulta, assim como tornou mais eficiente a gestão da agenda médica.

5 – Melhora na gestão da clínica


Diversas rotinas administrativas podem ser executadas com Feegow Clinic. Isso porque o acesso a dados mais completos e o preenchimento automático de documentos evitam, por exemplo, as glosas. Neste sentido, a gestão financeira é facilitada como um todo.

Para trazer conforto aos seus pacientes, considere fazer o atendimento online! E se você quiser agilizar e otimizar todos estes processos digitais, conheça o Feegow Clinic.

Nosso software pode te ajudar nessa transição para o digital, facilitando a organização e gestão da sua clínica ou consultório.

Perguntas frequentes:

O que é consultório online?

O consultório online é uma solução para o atendimento de pacientes e a realização de processos pela internet.

Como funciona um consultório online?

Os processos do consultório online precisam ser digitalizados, oferecendo informações para médicos, pacientes e corpo clínico.

Por que abrir um consultório online?

Um consultório online traz diversos benefícios para médicos e pacientes. A solução se tornou mais importante do que nunca no período de pandemia, mas promete continuar.

Este site utiliza cookies para otimizar a sua experiência de navegação!